Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

domingo, 20 de dezembro de 2015

PROG FOLK - MARC LEBEL - Un de Plus - 1971


Pérola obscura vinda de Quebec, no Canadá. O músico local Marc Lebel lançou este único e raro álbum em 1971 na companhia de amigos como Gilles Bergeron e René Dupéré, os três que viriam a formar a banda Agape no ano seguinte, realizando outro LP no mesmo ano.
Un de Plus ("Um a mais") é composto por 10 curtas faixas que mesclam folk, rock psicodélico e progressivo de forma equilibrada, lembrando em partes o próprio Agape. Assim como o desenho de capa, o som é bastante rudimentar, sempre com presença dos violões, mas também interessantes participações de bandolim, gaita, guitarra fuzz (como em "Les Éléphants" e "Viet-Nam"), piano e até trompete. As letras são todas em franceses e transmitem sensações que passam entre melancólica e humor.
Um disco que vai "crescendo" a cada audição e se torna um belo exemplo de prog/psych folk de Quebec.

Obscure album coming from Quebec, Canada. The local musician Marc Lebel released this rare LP privately in 1971 in the company of friends as Gilles Bergeron and René Dupéré, the three who would form the band Agape in the following year.
Un de Plus ("One more") consists of 10 short tracks that mix folk, psychedelic and progressive rock in a balanced way, reminding in parts Agape. As well as the cover, the sound is quite rudimentary, always with the presence of acoustic guitar, but also interesting parts of mandolin, harmonica, guitar fuzz (as in "Viet-Nam"), piano and even trumpet. The lyrics are all in French and transmit sensations that pass between melancholy and happiness. A record that "grows" after first listening and becomes a fine example of prog / psych folk of Quebec.

Marc Lebel (violão, vocal)
Gilles Bergeron (baixo, guitarra)
Marc Lebel e René Dupéré 
Pierre Baule (violão, guitarra)
Jacques Boivin (trompete, bandolim)
Weille Viens (vocal, harmônica)
René Dupéré (piano, bandolim)

01 Ambition
02 Les Éléphants
03 Les Américains
04 New-York
05 Viet-Nam
06 La Pluie
07 Robidoux
08 Les Balounes
09 Les Amours D'Asphalte
10 Je Vous Salue Marie

sábado, 19 de dezembro de 2015

PSYCHEDELIC ROCK - LOS FREE MINDS - En Avándaro (EP) - 1971


Pérola vinda do México, formada em 1970 na cidade de León, em Guanajuato. O trio Los Free Minds se apresentou no lendário festival de Avándaro, em 1971 e logo desapareceu, lançando um único EP no mesmo ano com canções tocadas nesta apresentação. En Avándaro traz 4 curtas canções de pura psicodelia da época, com leves doses de blues e beat. Letras em inglês, instrumental simples e guiado pela guitarra fuzz ácida marcam o som do grupo.

Los Free Minds was a band from Mexico, formed in 1970 in the city of León, Guanajuato. The trio performed at the legendary Avándaro festival in 1971 and soon disappeared, releasing only one EP in the same year with songs played in this show. "En Avándaro" brings four short songs of pure psychedelia of the time, with light doses of blues and beat. English lyrics, simple instrumental and guided by acid fuzz guitar mark the group's sound.

Jorge Aguilera (guitarra, vocal)
Jesús Perez (baixo)
Ernesto Ontiveros (bateria)

01 El Amor Está En El Aire 2:07
02 Buscando Alrededor 3:21
03 Tu Debes Saber 2:50
04 Arriba De Una Nube 2:03



quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

BLUES ROCK - JA BLUEZY - At The Delta Lady - 1980


Continuando com bandas estadunidenses, o trio Ja Bluezy é oriundo de Detroit e foi ativo entre os anos 70 e 80, pouco mais se sabe sobre eles. Lançaram apenas um raro álbum de forma independente em 1980, que hoje alcança grandes valores.
At The Delta Lady traz 6 faixas, maioria longas, de blues rock "cru" e pesado, incluindo o cover de "Big Boss Man". Apesar da data de gravação, a sonoridade (e até a capa) é muito próxima dos anos 70, com longos solos instrumentais, onde ouvimos sólido trabalho bateria/ baixo acompanhando solos envenenados na guitarra e vocal rasgado de Bouillet. A qualidade da gravação não é das melhores, porém nada comprometedor.
Pérola consistente e poderosa, altamente recomendado para fãs de blues rock.

The trio Ja Bluesy was from Detroit and was active between the late 70s and early 80s, little more is known about them. Released only one rare album privately in 1980.
"Live At Delta Lady" brings six tracks, most long, of raw and heavy blues rock, including the cover of "Big Boss Man". Despite the date of recording, the sound (and even album cover) is very close to the 70s, with long instrumental jams, where we hear solid drums / bass work accompanying powerful guitar solos and Bouillet's vocals. The recording quality is not the best, but nothing compromising. Highly consistent and recommended for fans of blues rock.

Paul Bouillet (vocal, guitarra)
Max Koster (baixo)
Mitch Purdy (bateria)

01 'A' Plane Blues 7:33
02 Big Boss Man 4:51
03 St. James Infirmary 8:26
04 Battle Of Jericho 5:03
05 Just Not Look This Last Time 8:53
06 'E' - Thing 6:53

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

SOUTHERN ROCK - THUNDER - Same - 1974


Pérola vinda do Texas, nos EUA. O duo Thunder era formado pelo vocalista David Alley e o tecladista Whitey Thomas, para gravar o que seria seu único álbum em 1974, contaram com presenças de amigos locais dos grupos Nitzinger e Bloodrock. Sem sucesso o grupo se desfez pouco tempo depois, caindo na obscuridade.
O disco homônimo é dividido em 9 faixas curtas que trazem um Southern Rock característico da época, aqui com leve pegada funk (no baixo e sintetizadores principalmente) e boogie, variando momentos animados e outras calmas baladas. O instrumental é simples, guiado pela guitarra e com boas passagens de piano e teclado, acompanhando o vocal rasgado de Alley. Quanto as músicas, destaque para "It Feels So Good", "King's X" e "Power Glide".
Nada de extraordinário, mas recomendado para fãs de southern rock.

Thunder was a duo, consisting of David Alley and Whitey Thomas. For this, their only release, they got a little help from some friends. Like Bloodrock's Randy Reeder, guitarist Bugs Henderson and, of course, John Nitzinger. John playing guitar, bass and writing about half the album.
Well, it's a fun record for sure. Very 70's, Southern funky boogie rock. I love the keyboards, funny sounds and all, and some fierce guitar picking. The vocals at times have a chipmunk quality to them, but that's alright. And the songs work just nicely for me.
Text: Skydog's Elysium

David Alley (vocal)
Whitey Thomas (piano, sintetizador)
+
Randy Reeder (bateria)
Bugs Henderson (guitarra)
John Nitzinger (guitarra, baixo)

01 It Feels So Good 3:45
02 King's X 2:52
03 Pretty Boy Shuffle 2:40
04 Biggest Fool Of All 3:02
05 Power Glide 3:43
06 Let Me Hear It One More Time 4:04
07 Lady Luck 2:44
08 Good Ol' Rock & Roll 3:56
09 Sleep Is Not Too Easy 5:26



terça-feira, 15 de dezembro de 2015

REPOST: JAZZ FUNK/ PROG - VILLE EMARD BLUES BAND - Live à Montréal - 1974


Atendendo a pedidos, faço repost de um dos primeiros e mais influentes grupos do cena "Prog Quebec". O super grupo Ville Emard Blues Band (com cerca de 20 músicos) foi formado por em uma comunidade em Montreal por volta de 1972, lançando dois LPs na época, mas se desfazendo de forma prematura. Desde 2004 a banda voltou a fazer shows esporádicos pela região.
O primeiro álbum do VEBB, Live à Montréal foi gravado ao vivo e é duplo. É composto por 16 faixas difíceis de classificar, misturando um "caldeirão" de estilos, principalmente o jazz fusion, funk e prog rock, contando ainda com algumas influências do folk, música experimental (jams) e rock psicodélico. O instrumental, apesar de "maluco" em certos momentos, é muito rico, bem executado e entrosado com os belos vocais masculinos e femininos (em francês), com destaque para metais, sopros, guitarra, órgão e percussão.
Uma pérola difícil de descrever, mas que agradará fãs de jazz e prog rock. Ouçam e tirem suas conclusões!

Ville Emard Blues Band was a cooperative of musicians formed in 1972 around bassist Bill Gagnon, who operated a recording studio in the Ville Emard district of Montreal. The studio was a meeting place for many of Quebec's leading session musicians and recording artists. During the summer of 1973,
Their sound was rather eclectic oscillating between prog, jazz-rock and funk and often sounding a bit like Santana. Clearly one of the central player of the band is percussionist (congas mostly) Michel Seguin who would work with most groups of the province, but starting with TOUBABOU, which can be seen as the most direct descendant of VEBB. This first album is a mixed bag (the songwriting is shared by too many people to give any sense to unity to this album), but with much more good elements than the rare sloppy ones, and the best moments are worthy of the best JR/F albums. This album holds very high historical importance in La Belle Province as it sort of marks the start of the next 5-year's prog-explosion.
Text: Prog Archives

Pierre Nadeau (órgão, piano)
Robert Lachapelle (piano)
Roger Gougeon (tamborim)
Rénald Montemiglio (tamborim, saxofone, flauta)
Carlyle Miller (vocal)
Christianne Robichaud (vocal)
Lise Cousineau (vocal)
Carlyle Miller (saxofone, fliscorne)
Michel Dion (baixo)
Yves Laferrière (baixo)
Bill Gagnon (baixo)
Marcel Beauchamp (clarinete)
Michel Séguin (congas, percussão)
Christian St-Roch (bateria)
Denis Farmer (bateria)
Marcel Huot (bateria)
Rawn Bankley (guitarra)
Robert Stanley (guitarra)
Serge Vallières (guitarra)

01 Intro 0:39
02 Soumis / Octobre (Au Mois De Mai) 8:45
03 Ville Émard Blues 3:42
04 Comme Par Magie 6:00
05 That Ain't No Way To Be 6:00
06 Ste-Mélanie Blues 4:04
07 Ode (À Une Belle Inconnue) 6:10
08 A World of Love 3:53
09 Konky Donky 9:01
10 Pixieland 3:27
11 Indian Giver God 4:49
12 City Music 4:45
13 Poivrots Névrosés 6:35
14 Strangle / Solos De Batteries 12:09
15 Yama Nekh 06:39
16 You And Your Mother 8:37



domingo, 13 de dezembro de 2015

HARD PROG - RAVEN - Who Do You See... - 2013 (1976)


Pérola vinde de Terre Haute, cidade no estado de Indiana, Estados Unidos. A banda Raven foi formado no final de 1972 por jovens locais (incluindo o baterista Robert Wolff, após sua saída do Micah) e passou 4 anos na estrada, fazendo shows por dezenas de estados e chegando a abrir para Reo Speedwagon, Cheap Trick e Dan Fogelberg. O quinteto gravou um álbum em 1976, porém devido a falência da gravadora, o projeto foi arquivado e o grupo desfeito. Apenas em 2013 essas fitas "voltaram a luz" e foram finalmente lançadas pela Golden Pavilion em LP.
Who Do You See... é composto por 7 faixas de rock progressivo numa pegada "hardeira" e direta, típica da época. O instrumental traz um trabalho sólido e marcante, com grandes solos de guitarra e teclados (órgão Hammond e sintetizador Moog) se revezando sobre uma pulsante base de bateria/ baixo. O vocal também não fica devendo, com vários momentos de coro.
Altamente recomendado para fãs de hard prog da metade dos anos 70!

Classic progressive rock from Midwest America. This time from Terre Haute, Indiana, and features none other than the same drummer from the monster psych rock band Micah (1971). This album (recorded 1976) has all the trademarks of a band from the era and region: Straightforward radio friendly tracks are offset by highly complex compositions and serious musical chops. And loads of that wonderful Hammond organ and Moog synthesizer! Perhaps not the greatest sounding recording, but certainly excellent given the circumstances. Other Indiana bands like Yezda Urfa, Ethos, and even Vindication will point the way if needing comparisons. Overall a great find!
Text: RateYourMusic

G. Charlie Egy (vocal)
Doug Mason (teclados, vocal)
George Phelps (guitarra, vocal)
Tim Allen (baixo, vocal)
Robert Wolff (bateria, vocal)

01 Rock And Roll Man
02 Long Liz
03 Heartbreakin' Woman
04 The Journey
05 Being The Queen
06 Living In The Silver Screen
07 Who Do You See



sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

BLUES/ PROG ROCK - WHIPPING POST - So We Are - 1980


Pérola vinda da Suíça, ativa na segunda metade dos anos 70 e começo da década seguinte. Pouco se sabe sobre a banda Whipping Post, apesar deste ter lançado três álbuns entre 1978 e 80, todos pela Musk Project. O líder C.B. Busser teve alguns LPs solos na mesma época.
So We Are, o último disco do grupo de 1980, traz 9 faixas (maioria curtas) que fazem uma mescla "fora de época" entre blues e prog rock. O trabalho de Busser na guitarra é o grande destaque da obra, proporcionando excelentes momentos em todas as canções, o instrumental ainda traz passagens espaçadas de teclado, sax e flauta. Já o vocal é o ponto fraco, "apagado" e destoando da parte já citada, sendo todas as letras em inglês. Para as faixas, destaque em "Freedom In Me", "So We Are" e "Pioneers".
Não tão consistente, mas merece uma chance para fãs de blues e até prog rock.

Whipping Post was a band from Switzerland, active in the second half of the 70s and beginning of the next decade. Little is known about the group, despite they have released three albums between 1978 and 80, all for Musk Project. The leader C.B. Busser had some solos LPs at the same time.
"So We Are", their last album released in 1980, brings 9 tracks (most short) of blues rock with some progressive touches. Busser's guitar is the highlight of the work, providing great moments in all the songs, the instrumental passages also brings keyboard, sax and flute here and there. The vocal is the weak point, with all lyrics in English and "breaking" the good instrumental part. For the tracks, best are "Freedom In Me", "So We Are" and "Pioneers". Not so consistent, but deserves a chance to blues and even prog rock fans.

C.B. Busser (guitarra, violão, teclado, percussão, vocal)
Christoph Beck (bateria, percussão)
Chico Klee (saxofone, flauta, teclado)
Vögi Vögtle (baixo)

01 A Poem 0:50
02 Freedom In Me 7:15
03 Saturday ´N´ Sunday 5:20
04 Fireball 3:13
05 Your Love 4:30
06 So We Are 8:25
07 Gimme A Shine 3:04
08 Gonna Be Wild 4:45
09 Pioneers 5:30



quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

PSYCH/ LATIN ROCK - EXPERIENCIA - Passo A Passo - 1973


Pérola vinda de Portugal, formada no começo dos anos 70. O quinteto Experiencia lançou um único e raro LP em 1973, contando com presença de Fernando Girão, porém não conseguiram sucesso e logo se desfizeram. O disco passou quase 40 anos na total obscuridade, até que em 2010 a Golden Pavilion relançou em vinil, novamente com prensagem limitada.  
Passo a Passo é composto de 10 curtas faixas curtas e que mesclam rock psicodélico e latino principalmente (inclusive chega a ser comparado aos peruanos do Laghonia e Traffic Sound), bastante melódico e com todas as letras em português. No instrumental, destaque para a guitarra, que oferece bons solos acompanhada por teclado, violão e percussão. Quanto as músicas, minhas favoritas são "Passo A Passo", "Desta Pra' Outra" e "Eu Quero".
Nada de extraordinário, mas recomendado para apreciadores de rock latino e psicodélico.

Experiencia was a quintet coming from Portugal, formed in the early 70's. They released only one rare LP in 1973, with the presence of Fernando Girão, but did not get success and soon disbanded. The album kept in total obscurity for almost 40 years, until 2010, when Golden Pavilion reissued on vinyl, again with limited pressing.
"Passo A Passo" is composed of 10 short short tracks, mixing psychedelic and Latin rock mainly (also compared to the Peruvian bands Laghonia and Traffic Sound), very melodic and with all lyrics in Portuguese. Guitar offers some good solos, accompanied by keyboard, acoustic guitar and percussion. As for the songs, my favorites are "Passo a Passo", "Desta Pra' Outra" e "Eu Quero". Nothing extraordinary, but recommended for Latin and psychedelic rock lovers.
More info: Psychedelic Music

Ângelo Monteiro (órgão, piano)
Carlos Borracha (guitarra, violão)
Carlos Ribeiro (baixo)
Domingos Melo (vocal)
Tô Pereira (bateria, percussão)
+
Fernando Girão (arranjo, vocal, violão)

01 Manha De Primavera
02 Pequeno Poema
03 Viver Agora
04 Castelo De Areia
05 Passo A Passo
06 Estação Dos Caminhos De Ferro
07 Desta Pra' Outra
08 Eu Quero
09 Ida Triste Alegre Vinda
10 Fim



JAZZ FUNK - PLUS - Same - 1972


Pérola vinda da Bélgica, formada no começo dos anos 70. O grupo Plus contava com ex-membros da J.J. Band e El Chicles, chegaram a lançar um raro álbum em 1972, considerado por alguns como o "Santo Graal" do jazz-funk europeu, e outro compacto dois anos mais tarde, ambos pela Pink Elephant. A banda se desfez pouco tempo depois e alguns de seus membros passaram a integrar o Placebo.
O homônimo de 72 é dividido em 6 faixas, e como já falado acima, de jazz funk e doses de ritmos latinos, tendo como referência os grupos também já citados. Majoritariamente instrumental, conta com músicos competentes e entrosados, resultando em dinâmicas passagens de metais (saxofone, fliscorne, trompete e trombone), guitarra e bateria/ percussão. As letras são todas em inglês, aparecem na maioria das vezes em coros.
Uma obra sólida e interessante para fãs de jazz-funk e latino.

Plus was a band coming from Belgium, formed in the early 70's by former members of J.J. Band and El Chicles. Released a rare album in 1972, considered by some to be the "Holy Grail" of European jazz-funk and other single two years later, both by Pink Elephant. The band broke up shortly after and some of its members have joined Placebo.
The self-tilted is divided into 6 tracks, and as already said above, brings jazz funk with influences of Latin rhythms, remebering the groups also cited. Mostly instrumental, counts with competent musicians, resulting in dynamic passages of metals (saxophone, flugelhorn, trumpet and trombone), guitar and drums / percussion. The lyrics are all in English, appear most often in choirs. A solid and interesting work for jazz rock/ funk/ latin fans.

Bruno Castellucci (bateria, percussão, vocal)
Doug Lucas (fliscorne, trompete)
Francis Goya (guitarra, vocal)
Leslie Kent (guitarra, vocal)
Mike Lovell (trombone)
Ralph Benatar (saxofone)
Yvan De Souter (baixo)

01 The Search 4:45
02 Gimme Some More Of That 4:35
03 What Did You Do 11:21
04 Open Letter 7:00
05 Put Everything Together 3:16
06 Enjoy Yourself 8:25



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

COUNTRY/ FOLK ROCK - JONATHAN KELLY'S OUTSIDE - Waiting On You - 1974


Pérola formada na Inglaterra, como projeto do músico irlandês Jonathan Kelly, contando ainda com os músicos Trevor Williams (ex-Audience), Snowy White (que se tornaria membro do Thin Lizzy anos mais tarde) e Chas Jankel (futuro guitarrista do The Blockheads). O grupo durou pouco tempo, lançando um álbum e outro compacto, ambos em 1974, e se desfazendo logo em seguida. Kelly abandonou sua carreira na música na mesma década.
Waiting On You é composto por 8 faixas, intercaladas entre curtas e longas, trazendo um som que flerta entre folk e country rock, além de algumas baladas e leve tentativa comercial. O instrumental é bastante equilibrado e na maioria do tempo tranquilo, com boa pegada nas guitarras, violão, piano e bateria, sempre acompanhando o vocal de Jonathan e letras que abrangem temas como política, sociedade e religião. Quanto as faixas, destaque para "Misery", "Great Northern Railroad" e "Tell Me People", a última com claras influências de funk.
Um bom disco, recomendado para fãs de country e folk rock britânico.

A project formed in England by Irish musician Jonathan Kelly, along with Trevor Williams (former Audience), Snowy White (later Thin Lizzy member) and Chas Jankel (future guitarist of The Blockheads). The group was short-lived, releasing an album and other single, both in 1974 and splitting soon after. Kelly abandoned his music career in the same decade.
"Waiting On You" consists of 8 tracks, interspersed between short and long, bringing a sound that flirts between folk and country rock, plus some ballads and commercial attempt. The instrumental is fairly balanced and most of time quiet, with good guitars, acoustic guitar, piano and drums, always following Jonathan's vocals and lyrics about politics, society and religion. Best tracks are "Misery", "Great Northern Railroad" and "Tell Me People", the last with clear funk influences. A good record, recommended for fans of British country and folk rock.

Jonathan Kelly (vocal, violão, piano)
Trevor Williams (baixo, vocal)
Dave Sheen (bateria, percussão)
Chas Jankel (guitarra)
Snowy White (guitarra)

01 Misery 6:15
02 Making It Lonely 4:55
03 Tempest 6:01
04 Sensation Street 5:48
05 Great Northern Railroad 7:50
06 I'll Never Find Another Love 4:22
07 Yesterday's Promises 3:53
08 Tell Me People 8:20



segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

PROG ROCK - COLLUSION - Same - 1971


Mais uma raríssima pérola vinda da Inglaterra, o grupo Collusion foi formada na região de Dagenham, leste da capital Londres. Lançaram um único disco em 1971 de forma privada e segundo algumas fontes na internet com apenas 100 cópias! Essa obscura obra "volta a luz" em 2015, graças a Audio Archives, que promove um relançamento em CD e LP. 
O homônimo traz 7 faixas que combinam rock progressivo com doses de hard, psicodelia e até folk. O instrumental é tradicional, composto por duas guitarras (que assumem o protagonismo), bateria e baixo, porém todos se tocados de forma sólida e marcante. Os vocais são masculinos e femininos, muito bem intercaladas e sendo o ponto forte do álbum. Quanto as faixas, destaque para "Song of Pity", "Bluebirds" e "Sweetbread Line", apesar de raros momentos fracos.
Uma ótima indicação para fãs de hard e proto-prog dos anos 70.

The first ever vinyl reissue of a true prog rock obscurity from 1971, originally released in a tiny run on the custom SRT label. Collusion was a Dagenham-based six-piece featuring twin guitars and interwoven male/female vocals as the main ingredients. Expect hard-edged prog-rock with tasty folk and jazz elements. This engaging album features seven original tracks with the stunning 'Bluebirds' and the epic 'Sweetbread Line' as the undisputed highlights.
Text: Clear Spot

Mick West (guitarra)
Tony Davison (vocal, pandeiro)
Sandy Baker (vocal)
Steve Webb (guitarra)
Chris Simons (baixo)
Colin 'Loz' Victory (bateria)

01 I've Got That Cold Porridge Feeling
02 Might As Well Be Dead
03 Song Of Pity
04 The Way It Used To Be
05 Saturday Morning (Down The Dead Highway)
06 Sweetbread Line
07 Bluebirds



sábado, 5 de dezembro de 2015

FOLK ROCK - KEITH NOBLE - Mr. Compromise - 1970


Uma das pérolas mais raras e valiosas já postadas no blog! Keith Noble é um músico e cantor londrino, figura importante na formação do Pink Floyd, já que este foi vocalista do grupo Sigma 6 (que mudou seu nome para Meggadeaths, Abdabs e Screaming Abdabs) durante 1963 e 64, contando com Rogers Waters, Nick Mason e Richard Wright (ainda desempenhando o papel de guitarrista). Após deixar a banda, Noble e seu companheiro Clive Metcalfe formaram um duo que gravou este raríssimo álbum de forma independente, com presença de Bob Klose, outro fundador do Floyd. Este LP nunca foi relançado e uma cópia hoje custa uma pequena fortuna.
Mr. Compromise, de 1970, é composto por 10 faixas, maioria curtas, além de vários músicos convidados. Se trata de uma obra típica do folk britânico na época, com belas e muito bem executadas composições, gerando um clima acústico e viajante. O instrumental é dominado por violões, percussão e violino, apesar de alguns momentos na linha do rock sessentista, onde ouvimos guitarra elétrica e bateria. Os vocais melódicos de Noble são outro ponto interessante.
Recomendado para apreciadores de folk-rock e também por sua ligação histórica com Pink Floyd.

Keith Noble is a musician and singer from London, important person in the formation of Pink Floyd, as he was vocalist of the group Sigma 6 (which changed its name to Meggadeaths, Abdabs and Screaming Abdabs) during 1963 and 64, with Rogers Waters, Nick Mason and Richard Wright. After leaving the band, Noble and his friend Clive Metcalfe formed a duo that recorded this rare album privately with the presence of Bob Klose, another Floyd's founder. This LP has never been re-released and a copy today costs a small fortune.
"Mr. Compromise", recorded in 1970 consists of 10 tracks, most short and with several guest musicians. It brings a typical British folk of the time, with beautiful and very well performed compositions, creating an acoustic and trip atmosphere. The instrumental is dominated by acoutic guitars, percussion and violin, although some moments are in the line of 60s rock, where we hear electric guitar and drums. Noble's melodic vocals are another interesting point. Recommended for folk-rock lovers and also for its historical connection with Pink Floyd.

Keith Noble (vocal, violão)
Clive Goodenough (violino)
Keith Noble na época do Sigma 6
Rado Klose (guitarra)
Graham McKenney (baixo, trompete)
Chris Reinolds (baixo, guitarra)
Dave Bell (bateria, percussão)
Tom James (bongos)
Sheilagh Noble (backing vocal)

01 Mr. Compromise
02 Narcissus
03 Secretary Jane
04 Red-Current Tide
05 Up and Down Way
06 Only When I Laugh
07 Dandelions Have Their Day
08 Weather
09 King Of The Icemen
10 Ashes and Silver



quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

CLASSIC ROCK - FLY UNITED - Same - 1975


Pérola vinda da Dinamarca, a história do grupo Fly United é pouco esclarecida. A banda teria sido formada em meados dos anos 70 a partir de ex-membros do Delta Blues Band, que decidiram continuar a partir das gravações do que seria o segundo disco do grupo, antes de se desfazerem. Infelizmente o projeto durou pouco por conta de mudanças na formação e pouca divulgação do álbum.
O homônimo de 1975 (ano não preciso, pois há datas divergentes na internet) é composto por 8 faixas curtas e apresentando um bom rock clássico, comum a época, com doses acentuadas de blues, country e até jazz. O instrumental é competente, guiado pelas guitarras, acompanhado em momentos pelo saxofone e piano, além de todas as letras em dinamarquês.
Nada de extraordinário, porém interessante para fãs do estilo.

Fly United was a band from Denmark, the group was formed in the mid-70s from former members of Delta Blues Band, which decided to continue from the recordings of what would be the second album of the band, before disbanding. Unfortunately the project did not last long, after several line-up changes.
The self-titled, released in 1975 (no precise year, as there are conflicting dates on the Internet) consists of 8 short tracks and presenting a good classic rock, common to time, with strong doses of blues, country and even jazz. The instrumental is competent, driven by guitars, accompanied at times by the saxophone and piano, plus all the lyrics in Danish language. Nothing extraordinary, but interesting for fans of the style.

Steven Iarusci (baixo, vocal)
Adrian Scalamogna (guitarra, backing vocal)
Aidan Schiff-Kearn (guitarra, backing vocal)
Jonathan "Gomez" Ramoutar (bateria)

01 16 Tons
02 Løgn
03 Nørrebro
04 Fly United
05 Ønskefeen
06 Flugten (Ud I Naturen)
07 Shing-A-Ling
08 Landevejens Rose

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

HARD ROCK - DEAD END 5 - Dead Ends - 1976


Pérola vinda de Turku, cidade da Finlândia, ativa em meados dos anos 70. O grupo Dead End 5 ganhou certa popularidade local, lançando dois LPs e compactos entre 1976 e 77, infelizmente a banda se desfez prematuramente no mesmo ano. A vocalista e líder Annika Salminen partiu para carreira solo logo depois.
Posto aqui seu primeiro álbum, Dead Ends, de 1976. Conta com 12 curtas faixas, sendo algumas versões de nomes como Janis Joplin, ZZ Top, Kiss e Blue Öyster Cult, já revelando o som pesado e barulhento dos caras. O instrumental é simples e direto, liderado pela ferroz guitarra e acompanhado por baixo/ bateria marcantes, além do poderoso vocal de Annika e todas as letras em finlandês.
Recomendado para fãs de hard rock e vocais femininos.

Dead End 5 is one of those bands who sorely need rescuing from obscurity. A relatively successful album back in the day, their debut full lenght Dead Ends (1976) was needlessly forgotten after the band split up a few years later because of lead singer Annika Salminen going for a schlager solo career. Dead Ends couldn't be further away from schlager pop - the band at the time were rough, nasty and loud, and Salminen's vocal delivery rocks hard. With several original compositions and a couple of choice cover cuts, the album is a blast.
Text: Svart Records

Jari Salminen (baixo)
Olli Kivinen (bateria)
Rauno Melos (guitarra)
Annika Salminen (vocal)
Kari Heimonen (produção, efeitos)

01 ME 262 4:19
02 Carolin 3:03
03 WC-paperi-75 2:25
04 Yön harsot 2:45
05 Salama 2:58
06 Suurkaupungin suudelma 2:43
07 Mies, joka pelasti rock 'n' rollin 3:07
08 Casanova 2:53
09 Liekinheitin 3:15
10 Peilikuvat 4:01
11 Mercedes Benz 1:33
12 Tohtori 3:13