Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

HARD/ PROG ROCK - MENDOZA - Same - 1972


Pérola vinda da Suécia, formada na região da Gotlândia Oriental, no começo dos anos 70. O sexteto Mendoza lançou apenas um álbum e compacto, ambos em 1972 e ainda não re-editados, se desfazendo logo em seguida.
O homônimo é composto por 9 faixas, maioria curtas, abrindo com "Jojk", o grande destaque, toda instrumental e dinâmica, onde ouvimos boas passagens de guitarra, trompete, órgão e flauta. Outros momentos altos são "Steamship" e "A Sinful Man", porém a mescla de jazz-rock, progressivo e hard não é mantida em todos os momentos do disco, caindo em tentativas comerciais e mais simplórias ao longo da obra. As letras são todas em inglês.
Irregular, mas ainda sim interessante para fãs de hard prog e fusion dos anos 70.

Mendoza was a band coming from Sweden, formed in the region of Gotland in the early 70's. The sextet released only one album and single, both in 1972 and disbanding soon after.
The self-titled is composed of 9 tracks, most short, opening with "Jojk", the highlight, all instrumental and dynamic, where we hear good passages of guitar, trumpet, organ and flute. Other highlights are "Steamship" and "The Sinful Man", but the great mix of jazz-rock, progressive and hard is not maintained at all the moments, falling in commercial and more simplistic attempts over the record. The lyrics are all in English. Irregular, but still interesting for fans and hard prog fusion 70s.

Anders Hogman (baixo)
Anders Östryd (bateria)
Arne Gustafsson (guitarra, flauta)
Björn Larsson (trompete)
Lennart Palmefors (teclado, vocal)
Rolf Öhlin (guitarra)

01 Jojk 7:20
02 Steamship 2:15
03 Hello, Hello 3:30
04 A Sinful Man 1:56
05 The Grateful Salesman & Co 3:09
06 The Land Of Little Rain 5:45
07 Summer Days, Winter Cold 4:43
08 Jambalaya 3:30
09 Green Bamboo 3:14



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

NORDIC FOLK - SPÆLIMENNINIR Í HOYDØLUM - Same - 1977


Hoje uma postagem diferente para os seguidores do blog. Trago aqui um grupo das pequenas e geladas Ilhas Faroe, localizadas no Atlântico Norte. O grupo Spælimenninir í Hoydølum foi formado na capital Tórshavn em 1974, encurtando o nome para Spælimenninir na década seguinte e lançando vários álbuns desde então, sendo o último de 2003. Vários dos músicos que passaram pela banda seguiram projetos solo, com destaque ao líder Kristian Blak.
O debut de 1977 é dividido em 19 curtas faixas, todas na casa dos 1 ou 2 minutos. O som é puramente folk nórdico, mesclando vertentes tradicionais e contemporâneas, na maioria do tempo instrumental, acústico e muito bem executado, onde ouvimos predomínio do violino, mas também bandolim, tin whistle (flauta), piano e violões. As letras são todas em língua local e com vozes masculinas e femininas.
Bela pedida para quem curte ou quer conhecer música folclórica nórdica.

Spælimenninir í Hoydølum is a lively group of six musicians that play traditional and contemporary folk music from Scandinavia on fiddle, recorder, piano, guitar, mandolin and acoustic bass and vocals. The group’s home base is the Faroe Islands in the far North Atlantic, a small cluster of islands located between Iceland, Norway and Scotland. While they are based in the Faroes, Spælimenninir is not strictly a “Faroese” band, either in personnel or music. Playing together for over 20 years, the line-up includes one native Faroese, one Swede, two Americans and two Danes. This international collaboration has resulted in a varied repertoire which reflects each member’s heritage and illustrates the links between the music traditions of the Scandinavian countries and the United States.
Text: Wiki

Kristian Blak (piano, vocal)
Jógvan Dahl (banjo, violão)
Alistair Cochrane (bandolim, tin whistle)
Christina Lindén (violino, vocal)
Hans Ole Larsen (violino)
Janne Danielsson (violino)
Magnus Pauli Poulsen (violino)

01 Auchdon House 2:04
02 Roselil 2:29
03 Halling 1:21
04 Bellman’s Jig 1:59
05 Polska 1:41
06 Dainty Davie 2:46
07 Katrinevalsen 1:59
08 Brøndums Hopsa 1:46
09 Majvisa 2:45
10 Læg di mav 1:58
11 Lilla gubben uppå Tallebacken 0:53
12 Jeg går i tusind tanker 1:51
13 The Hen’s March to the Midden 2:34
14 Polska 1:48
15 Pindsvine-Reinländer 2:09
16 Stockholmslåtan 1:36
17 Reinländer 2:01
18 Reinländer 1:37
19 Grái kópur av Súluskeri 3:05

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

PROG ROCK - ASH - Same - 1979


Pérola obscura vinda da Itália, muito pouco se sabe sobre o grupo Ash. Foram ativos na segunda metade dos anos 70 e lançaram um álbum em 1979, com falsos nomes em inglês (algo até comum entre bandas locais que tentavam se passar por inglesas para conseguir sucesso). Há ainda um compacto de data desconhecida lançado pelo grupo, com letras em italiano.
Posto aqui o disco homônimo, dividido em 6 faixas que trazem rock progressivo próxima a estilos mais comercias da época, longe do som tradicional feito no país, mas ainda assim com suas qualidades. A parte instrumental é competente e merece destaque na obra, principalmente nas marcantes passagens de guitarra e teclados, acompanhados por vocais (masculinos e femininos) em inglês. Quanto as faixas, as melhores são "Easy Game", "The Desert of the Clear" e "What Can I Do".
Um disco que peca pela falta de originalidade, mas ainda pode ser interessante para fãs de prog rock.

Obscure pearl coming from Italy, very little is known about the group Ash. They were active in the second half of the 70s and released an album in 1979 with false names in English (something even common among local bands trying to achieve success). There is also single released by the group with lyrics in Italian, released in an unknown year.
Post here their self-titled, divided into 6 tracks that bring progressive rock close to commercial styles of the time, away from the traditional sound made in the country, yet with some qualities. The instrumental part is competent and key in the work, especially in great passages of guitar and keyboards, accompanied by male/ female vocals in English. As for the tracks, the best are "Easy Game", "The Desert of the Clear" and "What Can I Do". An record with lack of originality, but can still be interesting for prog rock fans.

Monica (vocal)
Guitar Duck (guitarra, vocal)
Mike Arge (teclado, vocal)
Emil Horse (baixo)
Roby Benedini (bateria)

01 Easy Game 5:30
02 Clown 5:48
03 The Desert of the Clear 6:01
04 What Can I Do 6:36
05 I'm Doing 5:17
06 Shadows of Love 6:14



terça-feira, 24 de novembro de 2015

GARAGE ROCK - PROU MATIC - Para Pa Pa / It Is My World - 1972


Pérola obscura vinda de Tarragona, cidade da Catalunha, Espanha. O grupo Prou Matic foi formado por jovens locais em 1971 e lançou apenas um raro compacto no ano seguinte, sumindo do mapa pouco tempo depois. A banda vem tendo seu trabalho redescoberto graças a recentes compilações. O single contém as músicas "Para Pa Pa", na linha beat/ romântica dos anos 60 e "It Is My World", grande destaque trazendo a essência do rock garageiro e sujo dos anos 70, com vocal rasgado, bateria e guitarras barulhentas. As letras são todas em inglês.

Pearl coming from Tarragona, city of Catalonia, Spain. The group Prou Matic was formed by local youths in 1971 and has just launched a rare single in the following year, disappearing from the map shortly after. The band has been rediscovered recently due to compilations. The single contains the songs "To Pa Pa", beat/ romantic '60s way and' It Is My World ", best one and bringing the essence of garage/ psychedelic rock from early 70s, with torn vocals, loud drums and guitars. The lyrics are all in English.

Manolo Gaván (vocal)
Francesc Torres (guitarra)
Jose Maria Mejuto (guitarra)
Alberto Jiménez (baixo)
Fernado Carmona (bateria)

01 Para Pa Pa
02 It Is My World

sábado, 21 de novembro de 2015

ACID-FOLK - SPARIFANKAL - Bayern-Rock - 1976


Pérola vinda da Baviera, estado alemão, formado por músicos locais no começo dos anos 70. Apesar de permanecer na cena underground, o grupo Sparifankal ganhou notoriedade no sul do país por suas performances excêntricas e teatrais, participando de festivais e lançando três álbuns entre 1976 e 81, mesmo ano que encerram as atividades. A partir de 1999 a banda faz reuniões esporádicas.
Posto aqui seu primeiro registro, Bayern-Rock, um ao vivo de 1976. É dividido em 8 faixas e difícil de ser classificado, por se aproximar de vários estilos, como acid-folk, rock progressivo, krautrock e até mesmo música experimental. O instrumental é bastante variado, passando por momentos acústicos, viajantes e pesados, contando com guitarra fuzz, violão, flauta e outros como dulcimer, suona e ocarina, nada comuns para bandas de rock. Outro ponto inusitado são as letras, todas em língua bávara e com temática política/ social.
Recomendo principalmente para fãs de acid/ prog folk e krautrock, ouçam e tirem suas conclusões.

Sparifankal was a group from Bavaria, German state, formed by local musicians in the early 70. Despite being in the underground scene, the band gained notoriety in the South of the country for its eccentric and theatrical performances, participating in festivals and releasing three albums between 1976 and 81, the same year that ended the activities. Since 1999 the band makes sporadic meetings.
Post here the first record, Bayern-Rock,  recorded live in 1976. It is divided into 8 tracks and difficult to be classified, close to various styles such as acid-folk, progressive rock, krautrock and even experimental music. The instrumental is quite varied, passing through acoustic trip and heavy moments, with fuzz guitar, acoustic guitar, flute and others like dulcimer, suona and ocarina, nothing common to rock bands. Another unusual point are the lyrics, all in Bavarian language and political / social issues. I recommend especially for fans of acid / prog folk and krautrock, listen and draw your conclusions.

Carl-Ludwig Reichert (guitarra, vocal, harmônica)
Florian Laber (baixo, vocal)
Günther Sonderwald (bateria, triângulo)
Tillmann Obermaier (vocal, guitarra, dulcimer, suona)
Jan Dosch (baixo, violão, ocarina)

01 Bis Zum Nexdn Weidgriag (4:24)
02 Dees Land Is Koid... (6:23)
03 Da Braune Baaz (3:25)
04 I Mechd Di Gean Amoi Nackad Seng (3:04)
05 De Groskopfadn (4:10)
06 Bluus Fo Da Peamanentn Razzia (7:00)
07 Wans Ums Farecka Nimma Ged (7:28)
08 Aus Is Und Goar Is (6:10)



quinta-feira, 19 de novembro de 2015

HARD/ BOOGIE ROCK - GLASHAUS - Drinking Man - 1977


Obscura banda vinda da Áustria, formada em meados dos anos 70 pelos irmãos Harry e Dieter Stuempfl . Informações sobre o quinteto Glashaus são escassas, eles provavelmente se estabeleceram em Munique, lá gravando seu único e raro álbum em 1977. Sem sucesso a banda se desfez e alguns de seus membros formaram o grupo Email anos depois.
Drinking Man é um álbum curto, dividido em 10 faixas. Ouvimos aqui mescla tradicional de hard, boogie e country rock do final da década, simples e direto, com destaque para as bons solos e riffs das guitarras, acompanhada por bons momentos de órgão, gaita e bateria. As letras são todas em inglês e com constantes coros. Destaque para "Drinking Man", "The Waiting Game" e "Vertigo".
Apesar de um pouco comercial e nada extraordinário, merece atenção de fãs de boogie e country rock.

A groovy upbeat rock album from Austria, sung in English. Not progressive, with some cuts verging on hard rock, there is some good organ work. The opener Shine On Medas is Status Quo-like boogie, and there is a southern/boogie feel to most other tracks. The Waiting Game and Vertigo are my heavy picks.
Nothing extraordinary, but notable as a rare example of it's kind to come from Austria at the time, a country which seems to have missed out entirely on hard rock and heavy metal in the '70s, but did have a decent punk/new wave scene at the tail-end.
Text: Rate Your Music

Lupo Greil (vocal, guitarra)
Wolfgang Buettner (vocal, guitarra)
Hans Proebster (vocal, baixo)
Harry Stuempfl (vocal, piano, órgão, harmônica)
Dieter Stuempfl (bateria, percussão)

01 Shine On Medas 3:00
02 Two-Timers and Double-Crossers 2:44
03 Drinking Man 4:30
04 The Waiting Game 3:49
05 Numerus Clausus 3:43
06 Winners and Losers 2:54
07 Vertigo 4:21
08 Desperate Man 2:55
09 Everything I Need 3:19
10 We've All Been Here Before 3:48

terça-feira, 17 de novembro de 2015

HARD/ PSYCH ROCK - TRIPTYQUE - If You Are in a Bad Mood / Don't Worry - 1970


Obscuro trio formado em Paris, capital francesa, entre o fim dos anos 60 e começo dos 70. A banda Triptyque lançou apenas um raro compacto em 1970 pela Opaline, após de desfazer o guitarrista e líder Alain Renaud partiu para carreira solo, lançando 3 álbuns na mesma década. É composto pelas duas curtas faixas "If You Are In A Bad Mood" e "Don't Worry", ambas na pegada típica da época, primariamente influenciadas por rock psicodélico, mas também progressivo, hard e até blues. Destaque para a guitarra de Renaud que traz momentos de peso ao som, além dos vocais equilibrados em inglês.

Obscure trio from Paris, France, active between the late 60s and early 70s. The band Triptyque released just one rare single in 1970 by Opaline, after disbanding, the guitarist and leader Alain Renaud left for a solo career, releasing three albums in the same decade. It is composed of the two short tracks "If You Are In A Bad Mood" and "Do Not Worry", both in the typical early 70's way, primarily influenced by psychedelic rock, but also progressive, hard and even blues. Highlighting to Renaud's guitar that brings some heavy moments to sound, as well as balanced vocals in English.

Alain Renaud (guitarra, vocal)
Didier Batard (baixo)
Clément Bailly (bateria)

01 If You Are In A Bad Mood 3:30
02 Don't Worry 5:12



domingo, 15 de novembro de 2015

SYMPHONIC PROG - OCTOPUS - Thaerie Wiighen - 1981


Pérola vinda da Noruega, formada em Haugesund, ao norte do país. Liderados pelo tecladista Tore Aarnes, o trio Octopus lançou um único álbum em 1981 de forma independente (até hoje não relançado) e desapareceu.
O álbum Thaerie Wiighen é conceitual e baseado na obra homônima do poeta e dramaturgo local Henrik Ibsen, trazendo 8 faixas de rock progressivo sinfônico e ainda folk-prog, próximo de obras da metade dos anos 70. O competente trabalho de Aarnes no piano, órgão e sintetizadores é destaque, bem acompanhado por guitarra, violão e flauta, dando um clima mais melódico na maioria do tempo. Outro ponto marcante são as letras em norueguês, dando um "charme" a obra.
Longe de uma obra-prima, mas boa pedida para fãs de prog sinfônico e escandinavo.

Octopus was a band from Norway, formed in Haugesund, north of the country. Led by keyboardist Tore Aarnes, the trio released one album in 1981 privately (not reissued yet) and disappeared.
"Thaerie Wiighen" is a album is conceptual and based on the homonymous work of the poet and playwright Henrik Ibsen, bringing 8 symphonic prog tracks, with touches of folk/ art rock, close to mid-70's albums. Aarnes' work in piano, organ and synthesizers is highlight, accompanied by acoustic guitar, guitar and flute, giving a more melodic mood most of the time. Another striking point is the lyrics in Norwegian, giving a "charm" the work.

Tore Aarnes (piano, sintetizador, órgão, clavinete, vocoder, vocal)
Henry 'Nunne' Holden (guitarra, violão, vocal)
Roar Soderlind (bateria, percussão, vocal)
+
Morten Andersen (baixo)
Ole Gloesen (violão)
Yngve Slettholm (flauta)

01 Ouverture - Part 1 - Havet 9:21
02 Part II Krigen 5:33
03 Part III Flukten 7:36
04 Part IV Prisonen 3:24
05 Part V Hevnen 5:26
06 Part VI Forloesningen 3:29
07 Part VII Erkjennelsen 6:01
08 Part VIII Epilog 5:11



sábado, 14 de novembro de 2015

PROG ROCK - JESSICA - Jessica (Bearbeitung von Reger Op. 89/27) - 1975


Pérola obscura vinda da Alemanha, muito pouco se sabe sobre o grupo Jessica. Lançaram um único e raro álbum em 1975 (apesar de alguns sites trazerem como 1973) pelo pequeno selo Knöterich e sumiram do mapa.
Posto aqui o disco Jessica (Bearbeitung von Reger Op. 89/27), composto por 4 faixas totalmente instrumentais, sendo duas longas e duas curtas. O som é próximo do progressivo, em momentos sinfônico e outros fusion, mas longe experimentações do Krautrock, guiado por belo trabalho no piano e sintetizadores de Henner Herdick, acompanhado por bateria e guitarra "discreta".

Jessica was a very obscure band formed in Germany during the early 70s, they released only one rare album in 1975.
Piano driven symphonic rock. One of the few German bands to have an almost Italian sound in places, like Festa Mobile for example. Has a jazzy lounge feel to it with plenty of piano and toned down electric guitar. Also features quite a bit of acoustic guitar. A nice title, in league with bands like Tetragon and Hax Cel.
Text: CD Reissue Wishlist

Peter Buchler (guitarra)
Lothar Piechottka (baixo)
Klaus T. Talges (bateria)
Henner Herdick (piano, sintetizador)

01 Allegreto Grazioso (14:33)
02 Andantino (2:32)
03 Vivace (6:36)
04 Allegro Con Spirito (17:04)

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

HARD ROCK - TARANTULA - Angel of Stone / Tarantula Dance - 1972


Pérola obscura formada em Amsterdã, capital da Holanda, em 1971. O grupo foi formado originalmente com o nome Tantalus e no ano seguinte mudou para Tarantula, e assim como tantas outras bandas locais lançou apenas um raro compacto. Este traz as músicas "Angel of Stone" e "Tarantula Dance", ambas na casa dos 3 minutos e que mesclam estilos típicos do começo dos anos 70, principalmente hard e brass/ funk rock. O instrumental é bastante dinâmico, com guitarra barulhenta, metais (trompete e saxofone), percussão, flauta e vocais rasgados.
Com certeza uma banda muito competente e que poderia perfeitamente lançar um LP na época.

Tarantula was a band formed in Amsterdam, capital of the Netherlands, in 1971. The group was originally named Tantalus and in the next year changed definitely, and like so many other local bands has just launched a rare single. This brings the songs "Angel of Stone" and "Tarantula Dance", both with 3 minutes and mixing typical early 70s styles, as hard and brass / funk rock. The instrumental is quite dynamic, with noisy guitar, brass (trumpet and saxophone), percussion, flute and good vocals. Certainly a very competent group and that could have released a LP at the time.

François Content (flauta, trompete)
Michiel Krijnen (baixo)
Jan Landkroon (guitarra)
Paul van Wageningen (bateria, percussão)
Willem Warbie (vocal, flauta, saxofone)

01 Angel of Stone
02 Tarantula Dance



segunda-feira, 9 de novembro de 2015

PROG FOLK - MARSYAS - Same - 1978


Fechando mais uma série de posts do leste europeu com uma preciosa pérola formada em Praga, atual República Tcheca e na época Tchecoslováquia. O grupo Marsyas foi formado como trio em 1973, por Oskar Petr, Petr Kalandra e Zuzana Michnová, passando por várias mudanças durantes seus longos anos de atividade, lançando 5 álbuns entre 1978 e 89. A banda teve uma rápida volta na última década.
Posto aqui seu debut de 1978, que traz 10 faixas e uma longa quantidade de músicos convidados, incluindo membros de Jazz Q, Pražský výběr e Flamengo, a "nata" do prog tcheco na época. Folk rock é o estilo principal, com acentuadas influências de progressivo, resultando em clima na maioria do tempo tranquilo e relaxante. O instrumental é variado e bem executado, onde ouvimos boas passagens de violão, teclados, guitarra, percussão, harmônica e mais raramente violino, flauta e até cuíca (!). O vocal, feminino e masculino, é outro ponto forte, passando sentimentos poéticos, alegres e melancólicos, capaz de tocar mesmo quem não entende uma só palavra em tcheco.
Um trabalho sem pontos fracos e altamente recomendado para fãs de prog-folk!

A precious pearl formed in Prague, Czech Republic, former Czechoslovakia. The group Marsyas was formed as a trio in 1973 by Oskar Petr, Petr Kalandra and Zuzana Michnová, going through several changes during their long years of activity, releasing five albums between 1978 and 89. The band took a quick turn in the last decade.
Post here its 1978 debut, which features 10 tracks and a long amount of guest musicians, including members of Jazz Q, Pražský výběr and Flamengo, the best of the Czech prog at the time. Folk rock is the main style, with strong progressive influences, resulting in a quiet and relaxing atmosphere at time. The instrumental is varied and well executed, we hear good passages of acoustic guitar, keyboards, guitar, percussion, harmonica and more rarely violin or flute. The male/ female vocals are another strong point, with poetic, joy and melancholic feelings, able to touch even those who do not understand a single word in Czech. Without weak point and highly recommended for prog-folk fans!

Oskar Petr (vocal, violão)
Zuzana Michnová (vocal, violão, percussão)
Petr Kalandra (vocal, violão, harmônica)
Jiří Vondráček (violão 12 cordas, vocal)
Pavel Skála (vocal, guitarra, violão)

01 Hrnek 3:15
02 Dívka z plakátu 3:40
03 Barvám 4:25
04 Postavím si dům z obilí 2:50
05 Zmrzlinář 6:00
06 Lilin tanec 3:55
07 Paleta 4:20
08 Dopisy 3:05
09 Bělásek ztracený v dálkách 2:50
10 Den s tebou 6:10



Gravação ao vivo em 1975:

sábado, 7 de novembro de 2015

PROG FOLK - S VREMENA NA VREME - Same - 1975


Pérola vinda de Belgrado, atual capital da Sérvia e na época Iugoslávia. O grupo S Vremena Na Vreme ("De tempo em tempo") foi formado em 1972 e ganhou grande expressão local durante a década, lançando dois álbuns, vários singles e compondo para programas de TV e teatro. Tiveram uma volta nos anos 90, fazendo shows pelo país e deixando mais dois registros, incluindo um ao vivo.
Posto aqui o primeiro e mais conhecido disco da banda, homônimo de 1975. Composto por 11 curtas faixas, é considerado pioneiro na região por promover fusão de ritmos tradicionais balcânicos com rock progressivo, dominado por clima acústico e em momentos até espiritual, o instrumental é reflexo disso, passando por violões, percussão, flauta e instrumentos locais como Sargija e Tamburica até sintetizadores e guitarra. As belas harmonias vocais também merecem destaque, sendo todas as letras em sérvio.
Uma excelente entrada para o rock da "Cortina de Ferro", altamente recomendado para fãs de prog-folk!

Although this album is, first and formost, a collection of excellent individual songs where practically all of them could have been hits, the overall arrangement of this release gives a feel of a unifying idea. Seamless flow from one song to another is perfectly done, in a manner that some later BEATLES albums can surely be evoked as a model. Excellent harmony vocals, nice acoustic but also occasional electric guitars and flute, melodic bass lines, organ and some electronic devices, plus several traditional instruments like "prim" and "sargija" (both akin to mandolin or lute), all that make of this album a true masterpiece. It is hard to pinpoint a single track as best example, but the sample provided here, "Tema za sargiju" ("Theme for a Sargija") is an excellent choice. It is instrumental including sargija, acoustic guitars, percussion and later an electric guitar fuzzed solo. All of that can remind of some JETHRO TULL moments. Prog purists may find "S vremena na vreme" too accessible and song-oriented instead of complexity or experimentation. But, perfection sometimes lies in simplicity, harmony and beauty, of what this album is plentiful.
Text: ProgArchives

Miomir Djukic (violão 6 e 12 cordas, guitarra, tamburica sargija, vocal)
Vojislav Djukic (violão, tamburica, vocal)
Asim Sarvan (vocal)
Ljubomir Ninkovic (vocal, violão, sintetizador, sargija)
+
Robert Nemecek (baixo)
Nikola Jager (bateria)
Ivo Umek (órgão)
Bato Popovic (percussão)

01 Biblijska Tema (3:51)
02 Ko? (3:08)
03 Trazi Mene (2:28)
04 Utociste (2:44)
05 Tema Za Sargiju (1:57)
06 Dalek Sprema Se Put (3:24)
07 Nada (5:05)
08 O Glumcu I Narodu (1:54)
09 Suncana Strana Ulice (2:06)
10 Ostavljam Sve I Idem (3:42)
11 Tema Classica (4:10)

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

JAZZ FUSION - JAZZ CARRIERS - Carry On - 1973


Pérola formada em Varsóvia, capital da Polônia. O quinteto Jazz Carriers era liderado pelo conhecido saxofonista local Henryk Miśkiewicz, além de outros músicos que viriam a participar de outros grupos locais ao longo da década, como Zbigniew Jaremko e Zbigniew Kitliński. Apesar de pouco tempo de duração a banda alcançou certo reconhecimento local e lançou um único LP em 1973,  pela Muza.
Carry On é composto por 7 curtas e instrumentais faixas na linha típica do jazz fusion e contemporâneo, além de raras doses de funk. O som é bem executado e dominado pelo excelente e envolvente trabalho dos saxofones, que são acompanhados por bateria, baixo, percussão e teclado, este último proporciona bons momentos, apesar de nenhuma grande novidade no geral. Quanto as faixas, o destaque vai para "Carry On",  "Carriers' Blues", "Frytki" e "Mała Septyma".
Mais uma boa surpresa da cena jazzística polonesa, recomendado!

The quintet Jazz Carriers was formed in Warsaw, capital of Poland, led by well-known saxophonist Henryk Miśkiewicz, and other musicians who would join other local groups throughout the decade, as Zbigniew Jaremko and Zbigniew Kitliński. Although short time of duration, the band reached some local recognition and released a single LP in 1973 by Muza.
"Carry On" consists of seven short and instrumental tracks in the typical line of fusion and contemporary jazz, as well as some funk doses. It's well played and dominated by the excellent and engaging saxophones, which are accompanied by drums, bass, percussion and keyboards, the last provides good moments, although no big news in general. As for the tracks, the focus are on "Carry On", "Carriers' Blues", "Frytki" and "Mała Septyma". Another good surprise of the Polish jazz scene, recommended!


Henryk Miśkiewicz  (saxofone alto)
Marian Komar (baixo)
Zbigniew Kitliński (bateria)
Paweł Perliński (piano)
Zbigniew Jaremko (saxofone tenor e soprano)
+
Józef Gawrych (percussão)

01 Carry On (5:09)
02 Carriers' Blues (6:00)
03 Szara Kolęda (Grey Carol) (3:57)
04 Frytki (Chips) (5:27)
05 Mała Septyma (Minor Saventh) (6:10)
06 Bezdroża (Pathless Tracks) (6:18)
07 Supplement (6:44)



terça-feira, 3 de novembro de 2015

HARD ROCK - SIGNAL (Сигнал) - Sailing With The Wind ‎(Попътен Вятър) - 1980


Pérola vinda da Bulgária, formada na capital Sofia em 1978. O grupo Signal (em búlgaro Сигнал) lançou 11 álbuns no total, sendo o mais recente de 2005 e estando na ativa até hoje, com mudanças na formação. Apesar de conquistar popularidade local nos anos 80 e 90, pouco sabem sobre a banda fora do país.  
Posto aqui seu segundo disco de 1980, intitulado Sailing With The Wind (originalmente Попътен Вятър). É composto por 12 curtas faixas de hard rock característico da época, além de algumas baladas, com potentes e barulhentos riffs e solos de guitarra, acompanhados por sintetizadores e bateria/ baixo, trazendo poucos momentos memoráveis. As letras aparecem constantemente e são todas em língua local.
Nada de especial, mas ainda interessante para fãs de hard rock dos anos 80.

The group Signal (in Bulgarian Сигнал) comes from Bulgaria, formed in the capital Sofia in 1978. They released 11 albums in total, the most recent of 2005 and being in active until today, with lineup changes. Despite winning local popularity in the 80s and 90s, they are little-know in other countries.
Post here their second album, released in 1980 and titled "Sailing With The Wind" (originally Попътен Вятър). It consists of 12 short tracks of hard rock characteristic of the time, with some ballads and powerful riffs and solos of guitar, accompanied by synthesizers and drum / bass, bringing a few memorable moments. The lytics appear constantly and are all in the local language. Nothing special, but still interesting for 80's hard rock fans.

Йордан Караджов [Yordan Karadzhov] (vocal, guitarra)
Христо Ламбрев [Hristo Lambrev] (teclados)
Румен Спасов [Rumen Spasov] (baixo)
Владимир Захариев [Vladimir Zahariev] (bateria)

01 Попътен Вятър (Sail With The Wind)
02 Да или Не (Yes Or No!)
03 Странен Сън (Strange Dream)
04 Спомен Мой (Keepsake)
05 Пролетни Гласове (Spring Voices)
06 Защо (Why?)
07 Сянка и Небе (Shadow And Sky)
08 Влюбени Маски (Enamoured Masques)
09 Есенни Изповеди (Autumnal Confessions)
10 Няма Как (There´s No Other Way!)
11 Моя Тайна (My Secret)
12 Сигнал (Signal)



segunda-feira, 2 de novembro de 2015

PROG/ PSYCH ROCK - ROMANTICII - Rondelul Cupei De Murano (EP) - 1973


Pérola vinda da Romênia, formada no começo dos anos 70 na capital Bucareste. O Romanticii (também conhecido como Formatia Romanticii) nasceu graças ao tecladista Mircea Drăgan, ex-membro da influente banda local Mondial. Tiveram uma curta duração, lançando dois EPs entre 1973 e 74, se desfazendo logo em seguida após a saída de membros para outros grupos, como o próprio Mondial e FFN. 
Posto aqui seu primeiro registro, de 1973, que traz as curtas músicas "Rondelul Cupei De Murano" e "O, rămîi" no lado A e fechando com a excelente "Crăiasa din poveşti". Aqui o destaque vai para o instrumental, onde a banda mostra grande potencial, combinando influências progressivas e psicodélicas no órgão, guitarra e flauta, infelizmente o vocal dá um ar mais comercial, principalmente nas duas primeiras faixas.

Romanticii comes from Romania, formed in the early 70s in the capital Bucharest. Their leader was organist Mircea Drăgan, a former member of the influential local band Mondial. Had a short time of activities, releasing two EPs between 1973 and 74, after the disbaning, some members joined other groups, as Mondial and FFN.
Post here their first record, 1973, which brings the short songs "Rondelul Cupei De Murano" and "O, rămîi" in the side A and closing with the excellent "Craiasa din poveşti". Instrumental is the highlight, where the band shows great potential, combining progressive and psychedelic influences with organ, guitar and flute passages, unfortunately the vocals gives a more commercial feel, especially in the first two tracks.

Mircea Drăgan (órgão)
Doru Tufiș (guitarra, vocal)
Marcel Năvală (baixo, vocal)
Dorel Vintilă-Zaharia (bateria)
Nicky Păun (saxofone, flauta)

01 Rondelul cupei de murano
02 O, rămîi
03 Crăiasa din poveşti



Crăiasa din poveşti