Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

terça-feira, 28 de julho de 2015

HARD BLUES ROCK - TŰZKERÉK - Tűzkerék '78 Koncertfelvétel Iváncsa - 2014 (1978)


Fechando esta série de postagens do leste europeu em alto estilo, com o lendário guitarrista húngaro Radics Béla e seu grupo Tűzkerék. A banda foi formada em 1970 na capital Budapeste, influenciada por grandes nomes do blues rock ocidental, tendo uma primeira fase como quarteto até 1972 e parando as atividades até 1975 (neste meio tempo Radics montou alguns projetos como Taurus e Alligátor). Seguiram a partir dali como power trio, apesar de mudanças constantes na formação e problemas com o governo, mas o ponto final veio em outubro de 1982, com a morte do guitarrista e sem nenhum disco oficial lançado.
Apenas em 2010 uma gravação ao vivo do trio em 1978 foi lançada em LP limitado e quatro anos mais tarde em CD, com 2 faixas a mais, totalizando nove. Ouvimos aqui vários covers de nomes como Hendrix, Yardbirds, Willie Dixon e Led Zeppelin, mostrando as claras influências "blueseiras" dos músicos, executadas em longos jams, com trabalho excepcional e nervoso da guitarra, acompanhada por marcantes linhas de baixo, bateria quebrando tudo e vocais espaçados (em inglês e também húngaro).
Sonzeira do começo ao fim, com sonoridade próxima do começo dos anos 70. Altamente recomendado!

The group Tűzkerék was formed in 1970 in Hungarian capital Budapest, influenced by western blues rock bands, being a quartet until 1972 and stopping activities until 1975 (in the meantime Radics set up some projects like Taurus and Alligátor). After this, they continued as a power trio, despite constant lineup changes and problems with the government. The end came in October 1982 with the death of guitarist and leader Radics Béla, without any official record released.
Only in 2010 a live recording of the trio in 1978 was released in LP and four years later on CD with two tracks more, totaling nine. We hear several covers from artists like Hendrix, Yardbirds, Willie Dixon and Led Zeppelin, showing clear blues influences, performed in long jams with exceptional and heavy guitar work, accompanied by striking bass lines, crazy drums and spaced vocals (in English and also Hungarian). The sound is very close to the early '70s. Highly recommend for hard blues rock fans.

Póka Egon (baixo)
Döme Dezső (bateria)
Radics Béla (guitarra, vocal)

01 Guitar Boogie 3:17
02 Johnny B. Goode 4:39
03 Wang-Dang Doodle 16:14
04 Megátkozott Ember 8:44
05 Highway Chile 2:54
06 Dig That Boogie 2:19
07 Toad 13:29
08 Gonosz Asszony 3:38
09 Stroll On (Including "Spoonful" And "Dazed And Confused") 13:23



segunda-feira, 27 de julho de 2015

BLUES ROCK - APOKALIPSA - Niepublikowane - 2006 (1973-77)


Formação Original
Pérola obscura vinda da Polônia, formada em 1973 em Katowice pelo guitarrista Matthias Radziejewski (que rapidamente saiu do grupo para tocar com Czesław Niemen) e o vocalista e gaitista Ireneusz Dudek. A banda Apokalipsa durou cerca de 4 anos, chegando a abrir para Rory Gallagher, mas após algumas mudanças na formação e sem chegar a lançar nada na época, se desfizeram.
Apenas em 2006 algumas faixas gravadas 30 anos antes na cidade de Poznań foram lançadas em uma compilação com outros trabalhos de Dudek, chamada Niepublikowane ("Inédito"). Posto aqui as 4 músicas do grupo, trazendo uma mistura de blues, rock e até jazz, cantadas na língua local e afinado trabalho instrumental com guitarra, harmônica e violino, em momentos "arrastado" e outros animado.
Infelizmente este é o pouco material sobrevivente dos caras, que tinham capacidade para lançar muito mais.

Obscure group coming from Poland, formed in 1973 in Katowice by guitarist Matthias Radziejewski (who quickly left the group to play with Czesław Niemen) and vocalist and harmonica player Ireneusz Dudek. Apokalipsa lasted about four years, achieving local popularity and being opening band for Rory Gallagher but after lineup changes and without releasing anything at the time they disbanded.
Only in 2006 some tracks recorded 30 years earlier in the city of Poznań were released in a compilation with other Dudek's songs, call Niepublikowane ("Unpublished"). Post here the 4 songs of the group, bringing a mix of blues, rock and even jazz, sung in the local language and refined instrumental work with guitar, harmonica and violin, at times slow and other animated. Unfortunately this is the only surviving material from these guys, who had the capacity to launch more.

Ireneusz Dudek (vocal, gaita, violino)
John Borysewicz (guitarra)
Krystian Wilczek (baixo, vocal)
Mark Surzyn (bateria)
Andrzej Dybul (percussão)

01 Ta Duda 4:24
02 Daj Mi Znac 2:58
03 Hej Ucieka Czas 3:09
04 Bieg Ku Promieniom Slonca 4:42



sábado, 18 de julho de 2015

HARD ROCK - TREF - Marica Rock - 1976/77


Mais uma pérola obscura vinda da antiga Iugoslávia. A banda Tref (ou Grupa Tref) foi formada na cidade de Osijek, atual Croácia, tendo breve período de atividades. Assim como a maioria dos grupos locais não chegou a lançar nada oficial na época, apenas algumas músicas gravadas na rádio local por volta de 1976 e 77 foram posteriormente recuperadas e voltaram a vida graças a internet.
Marica Rock (nome dado graças a canção mais famosa dos caras) traz 6 curtas faixas de rock clássico "arroz e feijão", simples e direto, com pegadas de hard e garage. A guitarra lidera o instrumental através de bons riffs e solos, acompanhada de bateria/baixo e órgão ocasionalmente. As letras são todas em língua local, com vários momentos de coro.

Another pearl coming from the former Yugoslavia. The band Tref (or Grupa Tref) was formed in Osijek, current Croatia, and was short-lived. Like most local groups they didn't release anything official at the time, only a few songs recorded for local radio around 1976/ 77 were later recovered and unofficially released on internet.
"Marica Rock" brings 6 short and simple classic rock tracks with touches of hard and garage. The guitar leads the instrumental through good riffs and solos, accompanied by drums / bass and organ occasionally. The lyrics are all in the local language, with several moments of chorus.

Slobodan Ivanović (guitarra)
Zlatko Vukasović (baixo)
Ivica Matković (bateria)
Boro Vidović (vocal)
Damir Rokšer (teclado)

01 Marica Rock
02 Violina
03 Ne mogu da sanjam
04 Vitar piri
05 Balada o pankeru
06 Hej, kad...



sexta-feira, 17 de julho de 2015

FUNK ROCK - LJUBOMIR SEDLAR - Uz Pomoć Velikih Prijatelja - 1978


Pérola esquecida no tempo, vinda da antiga Iugoslávia. A maioria das informações sobre o guitarrista e compositor Ljubomir Sedlar são desconhecidas, sabe-se que nasceu na atual região da Sérvia e participou de colaborou em bandas locais nos anos 70 como Opus e Zlatni Prsti. Ele também lançou dois raríssimos álbuns solos entre fim da década de 70 e começo de 80, sumindo do mundo da música logo após.
Posto aqui seu debut de 1978, Uz Pomoć Velikih Prijatelja (traduzido como "Com ajuda de grandes amigos"). É dividido em 8 curtas faixas que trazem funk rock com pegadas de disco e pop, típicos da época e na região, cantado na língua local e com vocais masculinos e femininos. O destaque fica para o instrumental, combinando guitarra "groove" de Ljubomir, percussão e bons solos de órgão Hammond e sintetizador. Quanto as faixas, as melhores são "Igraj sa njom", "Jedriličar", "New York, New York" e "Glavni drug".
Nada de essencial, mas interessante trabalho para fãs de funk rock.

Gem coming from the former Yugoslavia. Most of the information about the guitarist and composer Ljubomir Sedlar are unknown, he was born in the current region of Serbia and collaborated in local bands in the '70s as Opus and Zlatni prsti. He also released two rare solo albums between the late 70th and early 80th, leaving the music world soon after.
Post here his debut of 1978, "Uz pomoc Velikih Prijatelja" (translated as "With the help of great friends"). It is divided into eight short tracks that bring funk rock with disco and pop touches, typical of the time and region, sung in the local language and with male and female vocals. The highlight is the instrumental, combining Ljubomir's "groove" guitar, percussion and good Hammond organ and synthesizer solos. As for the tracks, the best are "Igraj sa njom", "Jedriličar",  "New York, New York" and "Glavni drug". Nothing essential, but interesting work for funk rock/ disco fans.

Jelenko Milaković (bateria, congas, percussão)
Ljubomir Sedlar (guitarra, baixo, vocal, percussão)
Slobodan Marković (sintetizador, órgão)

01 Igraj sa njom 4:22
02 Balada suncu 3:10
03 Jedriličar 4:40
04 Danas vam sviram 4:03
05 New York, New York 3:44
06 Ipak se nadam 4:56
07 Dok sve to postoji 2:56
08 Glavni drug 3:10



quarta-feira, 15 de julho de 2015

HARD PROG - DIANA EXPRESS - Same - 1974


Diana Express (em búlgaro Диана Експрес) foi uma banda formada em Sofia, capital da Búlgaria em 1974 pelo tecladista Mitko Shterev e jovens locais. Lançaram vários discos até os anos 80, alcançando grande popularidade local na época. Mesmo após a pausa os antigos membros se reúnem de tempos em tempos para apresentações.
Posto aqui o debut homônimo de 1974, lançado pela estatal Balkanton. É dividido em 8 faixas cantadas na língua local e mostrando grande capacidade por parte dos músicos em certos momentos ao seguir linha hard prog (tanto quanto inovadora para a região na época), com excelente trabalho no órgão de Shterev, se revezando com guitarra, comparado por alguns com Deep Purple. O ponto fraco é a irregularidade do disco, sendo outras músicas pop/ comerciais. O destaque vai para "Diana Express", "Without You", "Ballad" e "Rodop Woman".
Ainda assim ouvimos bons e decentes momentos, recomendado para fãs de hard prog.

Diana Express (Диана Експрес) was a band formed in Sofia, capital of Bulgaria in 1974 by Mitko Shterev. They released several albums until the 80s, reaching great local popularity at the time. Even after the break, former members reunit from time to time for presentations.
Post here the self-titled debut of 1974. It is divided into eight tracks sung in the local language and showing great ability by the musicians at times playing hard progressive rock (in some form innovative for the region at the time), with excellent work in Shterev's organ, taking turns with guitar, compared by some people with Deep Purple. The weak point is the disc irregularity, with other pop / commercial songs. Key tracks are "Diana Express," "Without You", "Ballad" and "Rodop Woman". There is some good and decent moments to hear, recommended for hard prog fans.

Mitko Shterev (teclados, vocal)
Ivan Lasov (baixo)
Konstantin Аtanasov (guitarra)
Ivan Hristov (bateria)

01 Диана експрес (Diana Express)
02 Без теб (Without You)
03 Малка песен (A Little Song)
04 Хоровод (Ring Dance)
05 Да и не (Yes and No)
06 Балада (Ballad)
07 Майчице свята (Mammy Sacred)
08 Родопчанка (Rodop Woman)



terça-feira, 14 de julho de 2015

HARD PROG/ PSYCH - VARIOUS - Eesti rocki lapsepõlv - 1995 (1970-76)


Postagem especial ao Dia Mundial do Rock, mostrando que o estilo é global e independe de qualquer fronteira. A compilação Eesti rocki lapsepõlv (O começo do rock estoniano) surgiu de forma quase independente em forma de cassete nos anos 90, recuperando grupos do rock local na década de 70, sendo que a maioria não chegou a lançar algo oficial. Em 2014 ela foi estendida aos anos 60, com bandas de beat locais e lançada em 3 CDs pela Hitivabrik.
A coletânea é composta por 18 faixas de 10 bandas, gravadas entre 1970 e 76, algumas já postadas por aqui, como Väntorel e Meie. As influências são variadas, passando por rock progressivo, psicodélico e hard, com momentos melódicos e outros pesados. A maioria das músicas são simples e diretas, com instrumental competente, solos de guitarra, em alguns pontos órgão, flauta e piano aparecem bem, acompanhando as letras na língua local.
Uma excelente entrada ao rock soviético e da Estônia, pérola recomendada.

 The compilation Eesti rocki lapsepõlv (The beginning of Estonian rock) came almost independently in cassette form in the 90s, recovering local rock groups in the 70s, and most haven't even release anything official at time. In 2014 it was extended to 60 years, with local beat bands and released on 3 CDs by Hitivabrik.
The collection consists of 18 tracks of 10 bands, recorded between 1970 and 76, some already posted here, as Väntorel and Meie. The influences are varied, going through progressive, psychedelic and hard rock, with melodic and other agitated moments. Most of the songs are simple and straightforward, with competent instrumental, guitar solos, sometimes organ, flute and piano appear well, following the lyrics in the local language. An excellent entrance to Soviet and Estonian rock, recommended pearl.

Kooma

Ruja






Polyphon






01 Ruja - Rukkilõikus
02 Ornament - Rahatuvi
03 Polyphon - Põlevas Paadis
04 Virmalised - Hetki Neid
05 Väntorel - Kollaste Lillede Org
06 Suuk - Nuhtlemine
07 Meie - Helgiheitja
08 Teravik - Teravik On Suunatud Alla
09 Noor Eesti - Edasijõudnud Inime
10 Väntorel - Inimesed Vaatavad Merele
11 Meie - Unelmad Ja Tegelikkus
12 Ruja -  Zeppelini Triumf
13 Polyphon - Mõtted
14 Suuk - Statistiline
15 Ornament - Pilved Kuuvalgel
16 Väntorel - Sa Tulid Tuppa
17 Ruja - Lumi Sädeles
18 Kooma - Ma Pesen Oma Hambaid Verega (Live)



domingo, 12 de julho de 2015

JAZZ FUSION/ FUNK - SAULIUS ŠIAUČIULIS - Credo - 1981 (1979)


O pianista Saulius Šiaučiulis nasceu na Lituânia (antiga URSS) em 1951, começando sua carreira nos anos 70 em sua cidade natal Klaipėda. Lá integrou pequenas orquestras e ainda é professor, além de formar sua própria banda no fim da mesma década e realizar várias parcerias com músicos da região, tendo uma volumosa discografia.
Posto aqui um de seus primeiros trabalhos, Credo, gravado em 1979 e lançado dois anos mais tarde pela Melodya. Como citado acima, se trata de um disco de jazz fusion, com altas influências de funk (swing), dividido em 6 faixas instrumentais. Ouvimos aqui uma interação dinâmica entre um excelente time de músicos, com destaque para a apresentação invejável de Saulius no piano, mas ainda com saxofone, metais, percussão e bateria/ baixo.
Um dos ótimos trabalhos à serem explorados por fãs de jazz vindo dos países Bálticos, recomendado!

The pianist Saulius Šiaučiulis was born in Lithuania (former USSR) in 1951, beginning his career in the 70s in his hometown Klaipėda. There he integrated small orchestras and is still teacher, also formed his own band at the end of the decade and performed with various local musicians, having a voluminous discography.
Post here one of his early works, "Credo", recorded in 1979 and released two years later by Melodya. As mentioned above, it's jazz fusion with high funk (swing) influences, divided into 6 instrumental tracks. We hear a dynamic and well-made interaction between saxophone, brass, percussion, drums / bass and of course Saulius' piano in an enviable presentation.
One of the great works to be explored by jazz fans from the Baltic countries, recommended!

Romualdas Malinauskas (baixo)
Arvydas Joffė (bateria, congas, bongos)
Saulius Šiaučiulis (piano)
Virginijus Švabas (guitarra)
Victor Ignatov (saxofone)
Rimantas Brazaitis (saxofone, flauta)

01 Туманный День 5:37
02 Россета 4:06
03 Блюз 4:38
04 Традиционная Тема 4:31
05 Баллада 11:41
06 Credo 8:33

sexta-feira, 10 de julho de 2015

CHAMBER PROG - SONANS (Сонанс) - Rock Festival Chernogolovka - 1978


Pérola formada na antiga União Soviética, em Yekaterimburgo, atual Rússia por volta de 1975/76 por universitários locais. O grupo Sonans (em russo Сонанс) surgiu com proposta de um "novo rock", fortemente influenciado pela música clássica e de câmara. Foi ativo até começo dos anos 80, deixando apenas um EP como lançamento oficial, recentemente algumas gravações ao vivo foram redescobertas. Um desses bootleg posto no blog hoje, em um festival na cidade de Chernogolovka, próxima de Moscou, em 1978, onde também se apresentaram Victoria, Magnetic Band, entre outros. 
O som é considerado "Chamber prog", mistura de art e avant prog com música de câmara, estilo conhecido por nomes como Univers Zero e Art Zoyd. O ao vivo é dividido em 7 faixas, sendo cinco ocupadas por "Часть" (simplesmente traduzido como "Parte") uma releitura do poema "Peregrinos" (Пилигримы) de Joseph Brodsky e outras duas longas composições. Pouco posso dizer sobre as músicas, já que este não é um estilo muito familiar, mas são majoritariamente instrumentais (com alguns versos em russo) e muito bem elaboradas, contando com piano, violino, sopros e violões; o ponto baixo é novamente a qualidade precária de gravação
Não é para todos os ouvidos, mas com certeza recomendado para quem aprecia ou quer conhecer mais de Chamber prog rock.

This is quite an obscure piece of music from the 70s. Sonans emerged in 1976 as a semi-formal student music studio at Sverdlov University of Architecture. The purpose of the formation was finding - through experimentation - the 'right' musical formula which would bring together the contemporary developments in instrumental rock music with the heritage of the classical composition. Material performed by the band at that time accurately reflected the group's ideology, and could be described as predominantly instrumental chamber progressive. This rather poor quality bootleg recording of a '77 live performance by Sonans seems to be the only account of the band's early efforts. The core of the record are three long and quite elaborated chamber prog pieces similar to what Gatto Marte have been doing recently. In addition, there are two short songs in a rather commonplace acoustic songwriting style which appear to be manifestedly out of place in the generally neoclassic framework. Apparently, that was indicative of the band's further development. By the end of 70s, Sonans eventually drifted towards a simpler, more song-oriented format and by 1981 effectively disbanded becasue of growing tension between the band members.
Text: ProgNotFrog

Alexander Pantykin (teclados)
Igor Skripkar (baixo, vocal)
Michael Perov (violão)
Andrey Balashov (violino)
Ivan Savitsky (bateria)

01 Часть 1 (a) 9:09
02 Часть 1 (b) 3:20
03 Часть 2 (a) 5:15
04 Часть 2 (b) 3:15
05 Джельсомино 7:49
06 Часть 4 7:23
07 Пассакалия Ля минор 7:50



quarta-feira, 8 de julho de 2015

REPOST: ZAM ROCK - MUSI-O-TUNYA - The Wings Of Africa - 1975


Atendendo a pedidos, repost de uma das mais inovadoras e influentes bandas no movimento Zam Rock. Musi-O-Tunya foi formada em Livingstone no começo dos anos 70, conhecida por ser a primeira do guitarrista e vocalista Rikki Ililonga, músico de sucesso no país durante década de 70 e 80. Lançaram dois álbuns em 1975, com destaque para o primeiro. Uma coletânea foi lançada em 2010 com músicas do Musi e de Rikki, com o nome de Dark Sunrise.
O debut The Wings Of Africa tem 6 faixas, maioria longas, e traz aquele típico som do rock zambiano, misturando influências referências americanas como Jimi Hendrix (rock ácido e psicodélico), James Brown (funk) com afrobeat. A implacável guitarra fuzz aparece muito bem em vários solos, mas acompanhado por metais, percussão e instrumentos locais, como kalimba. Outro fato curioso é a presença de duas baterias: a africana e a "ocidental". As letras são todas em inglês, exceto "Mpondolo", cantada na língua local.
Sem destaque principal, pois se trata de um disco sólido. Essencial para fãs de Zam e Afro rock.

The most influential (and arguably the best) zam-rock record, but since its international release came much later than the rest it's the least known. Rikki Ililonga's vision was to combine the afrobeat sound with Jimi Hendrix's acid rock sound, and it works so well. The opening track is the only one without the heavy fuzz, I assume so that the listener can brace himself for the rest of the album. There are two drummers, one playing traditional african drums in the left speaker and one playing Western rock drums in the right. And there's also a small brass section from the afrobeat/James Brown influence that seems to have been abandoned by the zam-rock scene after this album in favour of the more acidic brassless sound.
Text: Rate Your Music

Rikki Ililonga (guitarra, vocal)
Ndara "Derreck" Mbao (baixo, vocal, kalimba)
Alex Kunda (bateria, percussão, vocal)
Jasper Siliya Lungu (bateria, vocal)
Kenny Chernoff (saxofone)

01 The Wings Of Africa 7:10
02 Dark Sunrise 8:32
03 The Sun 6:18
04 Mpondolo 8:00
05 Walk & Flight 8:00
06 One Reply 5:50

terça-feira, 7 de julho de 2015

AFRO FUNK - VOICES OF DARKNESS - Same - 1974


Voices of Darkness foi uma banda formada em 1972 na cidade de Duala, em Camarões, pelo músico Joe Brown. Após um breve período de shows no país de origem foram para Lagos, na Nigéria, contando com alguns membros nigerianos e gravaram seu único e raro álbum. O grupo se desfez logo em seguida e permaneceu em total esquecimento até 2014, quando o LP foi relançado pela Superfly.
O homônimo de 1974 é composto por 7 faixas curtas e próprias, trazendo sonoridade típica da região na época, misturando estilos ocidentais como funk, rock e soul com ritmos regionais (afrobeat). Reflexo disso é o instrumental agitado e com boas passagens de órgão, guitarra, saxofone, percussão e timbales. As músicas são cantadas em três idiomas, inglês, Ewondo (língua local) e francês (na balada "Bonjour Cherie"). Destaque para "We Gonna Make It", "Mota Ginya" e "We Are Origins Of Africa", apesar de ser consistente.

Voices of Darkness was a band formed in 1972 in the city of Douala, in Cameroon, by the musician Joe Brown. After a brief period of concerts in the country of origin they moved to Lagos, Nigeria, with some Nigerian members and recorded their unique and rare album. The group disbanded soon after and remained in oblivion until 2014, when the LP was reissued by Superfly.
The self-titled of 1974 consists of 7 short and original tracks, bringing typical sound of the region at the time, mixing Western styles like funk, rock and soul with regional rhythms (afrobeat). A reflection of this is the cheerful instrumental and with good passage of organ, guitar, saxophone, percussion and timbales. The songs are sung in three languages, English, Ewondo (local language) and French (in the "Bonjour Cherie" ballad). Highlighting for "We Gonna Make It", "Mota Ginya" and "We Are Origins Of Africa", despite being consistent.

Emmanuel Ebot (congas, timbales, vocal)
Joe Brown (órgão, guitarra, vocal)
Denise Kenneth (saxofone, percussão)
Cel Anderson (baixo, vocal)
Emmanuel Ovo (trompete, congas)
Paul Mony (bateria)

01 We Gonna Make It
02 No More Tears To Cry
03 Caution
04 I Was Loving You Lucy
05 Mota Ginya
06 Bonjour Cherie
07 We Are Origins Of Africa



segunda-feira, 6 de julho de 2015

PROG/ PSYCH ROCK - WILDEBEEST - Bushrock 1 - 1981


Wildebeest foi uma banda de vida curta, formada no fim de 1980 na África do Sul, a partir do baterista Colin Pratley (ex-membro do Freedom's Children). Deixaram um registro ao vivo em 1981, na cidade de Pretoria, relançado em CD recentemente. No ano seguinte, após saída do violinista Dave Tarr e Piet Botha, a banda se desfez e caiu na obscuridade.
Bushrock 1 é composto de 9 faixas, maioria curtas e com três covers do próprio Freedoms's Children ("Tribal Fence", "The Kid He Came From Hazareth" e "Slowly Towards the North", aqui intituladas "Russian and Chips" e "Pofadder", respectivamente). O disco traz uma sonoridade bem setentista, mesclando estilos como rock progressivo, psicodélico e hard; instrumental entrosado e competente, com solos de quase todos os instrumentos, se sobressaindo violino (presente em quase todos os momentos) e guitarra. Outro ponto alto é o belo vocal feminino de Karlien, em alguns pontos seguido por voz masculina.

Recorded in 1981, “Bushrock 1” is the sound of a truly African progressive rock band in full flight: thundering African percussion, hard rock guitars, swirling Celtic violin and soaring vocals all combine to form a heady musical brew. The "Bushrock" concept was ex Freedom’s Children drummer Colin Pratley's brainchild. On Wildebeest's live set “Bushrock 1,” the audience is advised to "settle back and relax"— then the music grabs you, throws you around, and does not let up through nine songs and nearly 45 minutes of adventurous rock. Take a sharp guitarist (Boet Faber), a thundering, driving bassist (Piet Botha), add an exuberantly talented drummer (Colin Pratley) and a rocking violin (Dave Tarr), sweeten with some lovely female vocals (Karlien van Niekerk), crank up the volume, and you’ve got the basis of Wildebeest's thundering, stampeding rock album. The songs are primarily driven by beat and rhythm—Piet's bass punctuates and emphasizes as it drives along, the rock steady and creative drumming is ever present, and the violin becomes an essential rock instrument. Then the guitar sears and soars. Masterful rock, with the great Colin Pratley flailing away on the drums. I think of it as Progressive Jungle Music.” The album was recorded live in 1981, and before that makes you pause, remember that the concept of energetic jungle rock music has rarely been better served before or since; the album features two different “covers” of Freedom’s Children tunes from their classic “Astra” album.
Text: Way Side Music

Colin Pratley (bateria, vocal)
Dave Tarr (violino, vocal)
Piet Botha (baixo, harmônica)
Boet Faber (guitarra, vocal)
Karlien van Niekerk (vocal)

01 Tribal Fence 4:36
02 Bokslaai 4:46
03 Russian and Chips 3:59
04 The Horsemen 4:15
05 Pofadder 6:05
06 Living Drummers 7:02
07 Here we go again 3:54
08 Hottentotsgot 4:02
09 No time in the city 6:31

domingo, 5 de julho de 2015

PSYCHEDELIC AFRO ROCK - BOB OHIRI & HIS UHURU SOUNDS - Uhuru Aiye - 1976


Pérola obscura vinda da Nigéria, formada em meados dos anos 70. Bob Ohiri & His Uhuru Sounds começou após a saída dos guitarrista Bob e Shegun Ilori do "King Sunny Ade & His African Beats", lançando um único álbum em 1976 (outros sites dizem que é de 1985, talvez ano de um relançamento). Além dos dois um outro músico conhecido como Prince é listado.
Uhuru Aiye é uma viagem pelos subterrâneos do rock setentista na África, dividida em 7 faixas, maioria curtas. Classificar esse disco é uma difícil missão, pois ouvimos influências de afrobeat, rock psicodélico e jazz funk, massivamente instrumental com percussão e guitarra wah-wah hipnotizantes liderando, além de alguns instrumentos locais, saxofone e órgão em raros momentos. As letras aparecem em iorubá e inglês, em 2 músicas.
Uma das melhores surpresas vindas do rico repertório afrobeat/ rock africano, pérola recomendada!

Obscure gem coming from Nigeria, formed in the mid-70s. Bob Ohiri & His Uhuru Sounds began after the guitarists Bob and Shegun Ilori left "King Sunny Ade & His African Beats", releasing one album in 1976 (other sites say that is 1985, perhaps a year re-release). Another musician known as Prince is listed.
"Uhuru Aiye" is a journey through the underground rock of the Seventies in Africa, divided into seven tracks, most short. Rate this disk is a difficult mission because we hear influences of afrobeat, psychedelic rock and jazz, funk massively instrumental with hypnotizing percussion and wah-wah guitar leading, plus some local instruments, saxophone and organ in rare moments. Lyrics appear in Yoruba and two songs in English.
One of the best surprises coming from the rich repertoire afrobeat / African rock, highly recommended!

Bob Ohiri (guitarra, vocal)
Shegun Ilori (guitarra)
Prince
?

01 Ariwo Yaa
02 Obhiha
03 Aiye
04 Nigeria London na Lagos
05 Imo State Express
06 Africa is Free for Us
07 I Like to Be Free



quinta-feira, 2 de julho de 2015

AFROBEAT - SAMMY CROPPER AND HIS WIRE CONNECTIONS - Papa Akwasi - 1978


Sammy Cropper é um músico originário de Gana. Começou sua carreira na música muito jovem, ainda na escola, em pequenas bandas até se juntar ao K. Frimpong & His Cubano Fiestas e posteriormente Vis à vis, dois grupos populares na região. Posto aqui um disco resultante de um projeto paralelo de Sammy, com o "Wire Connections", banda liderada brevemente por ele em 1978.
Papa Akwasi foi o único LP solo de Cropper, lançado no mesmo ano em Gana e EUA, contando com boa lista de músicos locais. É um álbum curto, de 5 faixas e menos de 30 minutos e trazendo uma versão moderna à ritmos como Highlife, misturado com rock, jazz e funk, lembrando bastante os conjuntos citados acima. Instrumental tem interessante presença de percussão, guitarra, sintetizador e saxofone, entre outros, acompanhando o vocal animado na língua local.
Mais um item altamente recomendado para fãs de afrobeat.

Sammy Cropper is a musician originally from Ghana. He began his career in music very young, still in school, in small bands until join "K. Frimpong & His Cubano Fiestas" and later "Vis à vis", two popular groups in the region. Post here his parallel project, with "Wire Connections", briefly band led by him in 1978.
"Papa Akwasi" was the only solo LP by Sammy, released in the same year in Ghana and USA, with good list of local musicians. It's a short album with tracks 5 and less than 30 minutes, bringing a modern version of rhythms as Highlife, mixed with rock, jazz and funk, reminding the groups mentioned above. Instrumental has interesting presence of percussion, guitar, synthesizer and saxophone, among others, following the animated vocal in the local language. Another item highly recommended for afrobeat fans.

Sammy Cropper (guitarra, vocal)
Slim Manu (baixo)
George Anapa (congas)
Alex Jubin (percussão)
Shalon Kung-fu (bateria)
Tommy Dozis (teclado, sintetizador)
Dan Asare (maracas)
Abroks (saxofone)
Paul Novo (trompete)
Anthony Yeboah (vocal)

01 Papa Akwasi
02 Meko A Enko
03 Mensonomu
04 Onipa Animuonyam
05 Akwantfi Owuo