Se você está interessado em baixar algum álbum postado a partir de 2015, entre em contato por e-mail: prolasdorock@yahoo.com ou deixe seu contato nos comentários (este não será visível publicamente), e o link será enviado o mais breve possível!


Mais informações aqui: http://goo.gl/ra9cdp


-------------


If you are interested in downloading any posted album from 2015, contact by email: prolasdorock@yahoo.com or let your email in comments (this will not be visible publicly) and the link will be sent as soon as possible!


More info here: http://goo.gl/ra9cdp

quarta-feira, 31 de julho de 2013

SYMPHONIC PROG - KYRIE ELEISON - The Fountain Beyond the Sunrise - 1976

Mais uma pérola do rock sinfônico vinda da Áustria. O Kyrie Eleison se formou na capital Viena em 1974 e lançou dois álbuns, com destaque para o segundo: The Fountain Beyond the Sunrise, de 1976. Talvez seja o melhor grupo progressivo do país, chegando a abrir para VDGG, Amon Düül e outros nomes consagrados do estilo. Mesmo assim a banda acabou em 1979, após a mudanças na formação.
Ouvindo o som do Kyrie em seu segundo trabalho percebe-se de cara a enorme influência do Genesis (era Nursery Cryme e Foxtrot), tanto no vocal de Michael Schubert quanto na estrutura das músicas, também recorda, em momentos, a atmosfera do Van Der Graaf Generator. As cinco longas faixas variam entre momentos mais melódicos (principalmente nas passagens de teclado) e outros mais "alucinados". A harmonia entre os instrumentos é excelente, mas o destaque principal fica para a bateria e teclados, que fazem um trabalho excepcional.
Pérola altamente recomendada para fãs de progressivo, especialmente de Genesis!
Link

Revisões em Inglês: ProgArchives / Português: Câmara de Eco

Kyrie Eleison is a band formed in Austria in 1974 and released two albums. Perhaps the best progressive group in the country. Listening to their second album we see the enormous influence of Genesis (era Nursery Cryme and Foxtrot), on Michael Schubert's vocals and in the structure of the songs. Also recalls, at times, the atmosphere of Van Der Graaf Generator. The harmony between the instruments is excellent, but the main emphasis is for the drums and keyboards that do an exceptional job.
Highly recommended for fans of progressive, especially Genesis!


Manfred Drapela - Guitarra, Violão, Backing Vocal
Gerald Krampl - Teclado, Sintetizador, Mellotron, Backing Vocal
Norbert Morin - Baixo, Violão
Karl Novotny - Bateria, Percussão, Backing Vocal
Michael Schubert - Vocal, Percussão

1. Out of dimension (10:10)
2. The fountain beyond the sunrise: (14:20)
3. Forgotten words (8:44)
4. Lenny (16:42)
5. Mounting the eternal spiral (11:12)

terça-feira, 30 de julho de 2013

SYMPHONIC PROG - KLOCKWERK ORANGE - Abrakadabra - 1975

Pérola austríaca, formada na cidade de Zams no começo dos anos 70, o Klockwerk Orange lançou um único e raro álbum no ano de 1975 e se desformou um ano depois.


Abrakadabra traz um progressivo muito similar ao do Emerson Lake and Palmer, principalmente no uso do teclado e órgão, e de outros grupos alemães de Krautrock. Contêm 3 faixas longas (duas de 11 e uma de 21 minutos). É na maioria instrumental, com momentos mais agitados e outros calmos. O órgão, sintetizador, teclado e piano dominam e o "inusitado" do disco é o uso do trompete, nada comum para bandas de rock.
Uma boa pérola, recomendado para qualquer fã de progressivo e de teclados.
Link

Austrian Pearl, formed in the early '70s, the Klockwerk Orange released a unique and rare album in 1975. It has a sound very similar to German Krautrock groups and Emerson Lake and Palmer, mainly in the use of the keyboard and organ. Contain three long tracks (two of 11 and one of 21 minutes). It is most instrumental and the unusual is the use of trumpet.

Hermann Delago (guitar, organ, synthesizer, vocals)
Markus "Wak" Weiler (organ, electric piano, synthesizer)
Guntram Burtscher (bass, guitar, vocals)
Wolfgang Böck (drums, tubular bells, timpani)

Duonyunohedeprinces 11:38
The Key 11:52
Abrakadabra 21:21



domingo, 28 de julho de 2013

PROG ROCK - EIK - Hríslan og Straumurinn - 1977


Eik foi uma das melhores bandas de rock progressivo que vieram a Islândia. Durou sete anos, de 1971 até que se desfez na primavera de 1978. Eles fizeram dois álbuns, o segundo sendo o melhor, lançado em 1977 chamado Hrislan Og Straumurinn.
O disco tem alguns ótimos momentos, variando do symphonic e avant prog, tendo ainda alguns toques de funk rock, lembrando de longe o som do Camel. Já na primeira faixa podemos ouvir os bons arranjos do grupo, combinando teclados, flauta e guitarra. As letras são todas em islandês, o que dá um toque mais especial as músicas.
No geral, um álbum altamente recomendado para todos os fãs de prog. Uma das melhores pérolas vinda Islândia, vale a pena ser ouvido!
Novo Link

Eik is one of the best progressive rock bands ever came from Iceland with a short career lasted 7 years. This is a great album full of beautiful parts, going from symphonic prog to space/avant moments, few but exists like on Diskosnudurinn aka The disk jockey very much with a Zappa or Laser Pace sound.
ProgArchives

Magnus Finnur Johannsson - vocal, flauta
Thorsteinn Magnusson - guitarra, Mini Moog, vocal
Petur Hjaltested - teclados
Asgeir Oskarsson - bateria
Haraldur Thorsteinsson - baixo, percussão, vocal
Tryggvi Julius Hubner - guitarra, vocal

01 Hríslan og straumurinn (14:23)
02 Eitthvað almennilegt (4:05)
03 Diskósnúðurinn (2:01)
04 Í dvala (2:23)
05 Átthagar (3:17)
06 Fúnk (4:16)
07 Fjöll (4:27)
08 Í stuttu máli (0:48)

sábado, 27 de julho de 2013

SPACE ROCK - AKASHA - Same - 1977


Obscura pérola norueguesa formada no norte do país, o Akasha lançou apenas um álbum em 1977 de apenas 1000 cópias, com uma produção "precária" no prédio da BAT Records no vilarejo de Kjøllefjord, sendo extremamente raro nos dias de hoje.
O som da banda no seu disco homônimo é dominado pelo space rock e progressivo eletrônico, um som viajante e obscuro. Passa por longas passagens instrumentais, principalmente de sintetizadores e mellotron, a guitarra distorcida também tem algumas bons momentos. As músicas são todas em inglês.
Pérola altamente recomendada para quem gosta do progressivo dominado pelos teclados e de space rock.
Link

The production isn't that great, it has that homemade feel, and was recorded in bomb cellar at hotel in the band's home town. Despite that, it's an excellent example of spacy prog, loaded with tons of spacy electronic effects off synthesizers, and tons of Mellotron that's ever present! You can't go wrong with that if you're a Mellotron fan! The singing is in English, with a strong sci-fi bent to them.
ProgArchives

Sverre Svendsen - Vocal, Mellotron
Kjell Evensen - Bateria
Arild Andreasson - Baixo
Jens-Ivar Andreassen - Guitarra, Mellotron, sintetizadores, piano, orgão
Tor Johnny Hansen - Letras e vocal

1. Isle Of Kawi (11:05)
2. Bondage (6:20)
3. Regitativ (1:51)
4. Electronic Nightmare (2:16)
5. Death Hymn (5:17)
6. Light And Darkness (6:28)
7. The Trip (3:58)
8. Man of The Void (4:51)

quinta-feira, 25 de julho de 2013

HEAVY PROG - MAMMOUTH - Je Peux Mourir / The Old Guy - 1972


Pérola ultra-rara vinda da França, formada em 1972 na cidade de Troyes e que lançou apenas um single no mesmo ano. Não conseguindo sucesso a banda acabou um ano depois. As faixas Je Peux Mourir e The Old Guy misturam hard rock e progressivo, destaque para o "lado B".


Alain Musnier (vocal)
Dominique Ruiz (guitarra)
Bernard Gambier (baixo)
Denis Bourhis (teclado)
Robert de Toffoli (bateria)

01 Je Peux Mourir
02 The Old Guy



quarta-feira, 24 de julho de 2013

PSYCHEDELIC ROCK - ALRUNE ROD - Same - 1969

Pérola dinamarquesa formada na capital Copenhague no fim dos anos 60 e que lançou meia dúzia de discos entre 1969 e 1975, o Alrune Rod foi um dos grupos psicodélicos mais populares do país na época. Sendo o guitarrista e vocalista Leif Roden o único membro original que permaneceu até o fim da banda.
O primeiro álbum da banda, de 1969, traz rock psicodélico com algumas influências de progressivo. As faixas são na maioria longas e têm riffs pesados e atmosfera ácida e viajante, lembrando o som dos primeiros álbuns do Pink Floyd. A voz lembra de longe Peter Hammill, a guitarra e o órgão predominam na parte instrumental. As letras são todas em dinamarquês.
Ótimo disco, recomendado principalmente para quem gosta de rock psicodélico e space.
Link

This album contains some strong songs with heavy riffing and atmospheric music and starbound vocals. Imagine Pink Floyd's psychedelic early years, but heavier and even more psychedelic, more melancholic and more trippy, that is pretty much what this record has to offer, don't hesitate to listen to this one. Overall it is one of the finest records to ever be released by a Danish band.
Natskyggevej

Giese - Guitarra e vocal
Kurt Ziegler 'Pastor' - Órgão e piano
Claus From - Bateria
Leif Roden - Baixo e vocal



1- Alrune Rod (10:00)
2- Natskyggevej (9:55)
3- Hvor Skal Jeg Se Solen Stå Op (3:12)
4- Bjergsangen (11:57)
a -Kom Og Tag Min Hånd
b - Du Er Så Sød
c - Når Yderst Er Inderst
5- Rejsen Hjem (13:23)

terça-feira, 23 de julho de 2013

ANDALUSIAN ROCK - ALAMEDA - Same - 1979

Alameda foi uma banda espanhola formada em Sevilha, no ano de 1977. Lançaram quatro álbuns entre 1979 e 1983, após uma parada de 11 anos o grupo voltou e lançou mais três trabalhos. A banda faz parte do rock andaluz, gênero que mistura a música típica da Andaluzia, flamenco e rock.
O álbum homônimo de 1979 traz o rock andaluz com temas na maioria românticos e melódicos, influenciado pelo jazz fusion e progressivo sinfônico. O piano, sintetizador e violão (tocado a moda espanhola) aparecem muito ao longo do disco. O instrumental é o destaque, bem tocado e com belas melodias.
Apesar de não ser muito original é uma boa pérola, principalmente para quem está começando a conhecer este movimento.
Link (Rock'n'Roll Archives)

Their sound was no more or less than romantic Andalusian Rock with Latin Jazz/Fusion influences, based on pleasant vocal harmonies and the dual keyboard work of Marinelli brothers.The tracks are characterized by Flamenco-flavored pleasant melodies, led by the pianos and the flamenco guitars of Rosa, partially mixed with the strong moog synthesizers and supported by a tight rhythm section.There is a very calm and positive atmosphere throughout the album.
ProgArchives

José Roca (guitarra, vocal)
Rafael Marinelli (piano)
Manuel Marinelli (teclado)
Manuel Rosa (baixo)
Luis Moreno (bateria)

Aires de Alameda (4:20)
La Pila del Patio (2:33)
Ojos de Triste Llanto (4:11)
Hacia El Alba (5:40)
Amanecer En El Puerto (6:36)
A la vera Del Jueves (4:10)
Matices (6:19)

Playlist:

segunda-feira, 22 de julho de 2013

PSYCH ROCK/FREAKBEAT - McCULLY WORKSHOP INC. - Same - 1969



Pérola sul africana formada em Cidade do Cabo pelos irmãos Tully e Mike McCully, o Mc Cully Workshop Inc. foi um grupo começou como trio de folk rock como The Blue Beats, mudando para Larfing Stocke e finalmente McCully Workshop. Lançaram quatro álbuns no fim dos anos 60 e começo dos 70. Posto aqui o primeiro, de 1969.
O som do disco homônimo traz uma forte influência de bandas britânicas da época (principalmente Zappa, Beatles e Pink Floyd). Tendo combinação de vários estilos, principalmente o freakbeat, a mistura do rock de garagem e psicodélico, contando com passagens de beat e folk rock, tudo isso acompanhado de guitarras distorcidas, ótimos riffs, fortes batidas e em algumas faixas uso de instrumentos típicos do país. Os vocais são masculinos e femininos.
Um som único e muito bom vindo da África do Sul. Pérola recomendada!
Novo Link

Of all the albums I've heard from South Africa this one is topscore. What a beautiful masterpiece. Pepper-influenced psychedelic underground music with great songs, lovely vocals, strong harmonies, great distorted guitarwork
Rate Your Music

Revisão completa (português) -> Blog do Maia


Tully McCully - vocal, baixo, guitarra, arranjos
Mike McCully - vocal, bateria
Richard Hyam - guitarra rítmica, vocal
Glenda Wassman - orgão, vocal
Ian Smith - trompete, flauta, fliscorne

01. Why Can't It Rain - 4:15
02. Hardcase Woman - 2:37
03. Ice Lover - 3:06
04. Four Walls - 2:40
05. Stargazer - 2:51
06. Rush Hour At Midnight - 3:21
07. Jackin' Around - 2:05
08. Head For The Moon - 3:55
09. The Circus - 4:00
10. Years Of My Life - 3:16
11. Fast Car - 1:41
12. Séance - 3:07

sábado, 20 de julho de 2013

HARD ROCK - GRUPA STRESS - Z archiwum Polskiego Radia 1972-1979 - 2008


Pérola do Hard rock polonês, o Grupa Stress (Grupo Stress) nunca chegou a lançar material nos seus anos de atividade (1971-1977) por causa de proibições do governo. Apenas em 2008 uma coletânea com 2 CDs foi lançada com 21 músicas achadas nos arquivos de uma rádio polonesa. Junto com Nurt e Test foi um dos pioneiros do hard rock no país.
O Power Trio tinha seu som baseado no rock pesado, com poucas passagens mais progressivas (que acontecem principalmente com o uso da flauta). Têm poderosos solos e riffs de guitarra, a bateria e o baixo também são muito bons. Um álbum incrível do começo ao fim e surpreendente (se vermos de onde vêm).
Pérola altamente recomendada para todos os fãs de hard rock setentista!
Link (East Rock)
The band was formed initially as a power trio and included guitarist / flautist / vocalist Mariusz Rybicki, who also wrote all of the band´s material, bassist Henryk Tomczak and drummer Janusz Maslak. Their "heavy" Hard Rock sound took the local scene by complete surprise and they scored a successful hit with their first radio single, but somehow their career never took off, as it so richly deserved. Rybicki wrote excellent tunes, played some superb riffs and above all smoked the guitar like nobody else on the local scene.Definitely a must to all Polish Rock fans both in Poland and anywhere in the world, as well as guitar heaven for guitar enthusiasts. Highly recommended!
Adam Baruch



Mariusz Rybicki - vocal, guitarra, flauta
Henryk Tomczak - baixo
Janusz Maslak - bateria

1.1 Cieżką drogą 7:46
1.2 Dwa lata świetlne 3:29
1.3 Wśród krzyży z ramionami 5:14
1.4 Konfiteor 3:00
1.5 Granica życia 4:29
1.6 Fatamorgana 3:03
1. Granica życia - wersja 2 4:54
1.8 Ciężką drogą - wersja 2 6:10
1.9 Cybernetyczna pamięć dnia 4:21
1.10 Hazard 2:54
1.11 Inkwizycja 4:48
2.1 Dwa lata świetlne - wersja 2 2:56
2.2 Honkey John Western 3:09
2.3 Siedem lat 3:21
2.4 Spacer we troje 2:43
2.5 Pociągi do nikąd 4:28
2.6 Cichy poniekąd zaułek 6:17
2.7 Cusiosum Sztuki 3:49
2.8 Gilotyna 6:04
2.9 Teoria powstania 6:08
2.10 Wejść do własnej głowy 2:54


sexta-feira, 19 de julho de 2013

HARD PROG ROCK - YU GRUPA - Same - 1973


Mais uma pérola vinda do leste europeu. YU Grupa (grupo YU) se formou em 1970 como trio em Belgrado (atual capital da Sérvia), na época Iugoslávia e lançou vários discos naquele período, após um pausa de cinco anos (81-86) a banda voltou e está até hoje na ativa, lançando seu último álbum em 2005. É considerado um dos principais grupos de rock do país.
O primeiro álbum de 1973 traz uma boa combinação de rock'n'roll, folk, progressivo e hard rock. As letras são todos na língua sérvia, dando um toque especial para o álbum. Destaque para guitarra de Dragi Jelić, que faz um ótimo trabalho principalmente nas faixas Covek i Marsovac e Čudna šuma.
Um ótimo som, pérola recomendada!
Link (Blog Jugo Rock)

Yugoslavian vocaled, power-trio hard rock, with tracks alternately either semi-commercial, psych influenced, or comparatively softer. These guys were a big surprise for me, and I'm glad I discovered them for myself. Definitely one of the better prog groups from that neck of the woods
Rate Your Music


Dragi Jelić – guitarra, vocal
Žika Jelić – baixo, vocal
Ratislav Đelmaš – bateria

Trka 4:34
Noć je moja 5:42
Čovek i Marsovac 3:31
Čudna šuma 3:43
Trenutak sna 4:21
Devojko mala podigni glavu 3:54
Crni leptir 3:52
More 5:40



quinta-feira, 18 de julho de 2013

JAZZ FUSION - ENERGIT - Same - 1975


Pérola formada em Braga, região da atual República Tcheca (na época Checoslováquia) e é mais uma dessas ótimas bandas da União Soviética que ficou desconhecida pelo resto do mundo. O Energit foi formado em 1973 por ex-membros da banda Flamengo e Jazz Q, tocando originalmente Hard rock. Logo o grupo foi proibido de tocar ao vivo e estava "na mira" do governo, o que resultou na saída de alguns membros. Após algumas mudanças na formação focaram mais no prog/jazz rock e lançaram seu primeiro álbum em 1975 e o segundo e último em 1978 acabando no mesmo ano.
O álbum homônimo traz um ótimo jazz rock/fusion, com alguns toques de progressivo. Têm boas melodias que são em alguns momentos mais melódicas e outras "agitadas". Destaque para a guitarra, piano elétrico e saxofone.
Pérola altamente recomendada para fãs de jazz fusion.
Link
Here's a band from the Czech Republic that promptly blew my head off. They originally arose from the ashes of FLAMENGO with the drummer and vocalist of that band joining forces with JAZZ Q's guitarist and bass player. The Communist government quickly banned the group citing the lyrics as being too provocative. They were pretty much playing Hard Rock at this time. So the band sort of imploded with ex-JAZZ Q guitarist Lubos Andrst keeping it alive by hiring Jazz players to fill out the new lineup. This is their first studio album and it's very much a MAHAVISHNU ORCHESTRA styled recording but with sax instead of violin. I have to say that the electric piano and guitar work is beyond incredible on this album.
ProgArchives

Jan Vytrhlík - Baixo
Jiří Tomek - Congas
Anatoli Kohout, Josef Vejvoda, Karel Jenčík - Bateria
Emil Viklický - Piano elétrico
Lubos Andrst - Guitarra
Rudolf Ticháček - Saxophone (Soprano)

01 Ráno (Morning Part I) 17:25
02 Paprsek Ranního Slunce (The Early Sunray) 4:40
03 Noční Motýl (Night-Butterfly) 7:50
04 Apoteóza (Apotheosis) 2:55
05 Ráno (Morning Part II) 4:05

quarta-feira, 17 de julho de 2013

KRAUTROCK - SILOAH - Same - 1970

Silhoah foi uma típica obscura pérola alemã de Krautrock. Formada em Munique no fim dos anos 60 o grupo lançou dois álbuns raríssimos (1970/72), com um número muito pequeno de cópias. Posto aqui o primeiro deles.
O disco homônimo de 1970 traz um som experimental, viajante e psicodélico, caracterizando o grupo como Krautrock. A maior diferença é o não uso de teclados e órgão (típicos dos outros grupos nesse estilo), sendo mais voltado para canções acústicas e "folk", tendo flauta e violão. As letras são em inglês e têm tema hippie. Destaque para as faixas Krishna's Golden Dope Show e Road to Laramy
Boa pérola, recomendado para fãs de psicodélico e krautrock.
Link

Siloah were a German progressive psych / folk band. A collective hippie musical tribe largely inspired by mysticism, LSD and sexadelism. Their music features a heavy use of stoned vocals (in English), mantric like guitar parts, flute, "ethnic" percussions. Their first drugged item released in 1970 offers a dangerous and imaginative ocean of trippy, perpetual jammings. A bombastic psychedelic explosion in the mood of the best german prog folk releases.
ProgArchives


Thom Argauer - Violão, guitarra e vocal
Wolfgang Görner - baixo
Manuela Freifrau - percussão, tamborim
Heinrich Stricker - vocal, shehnai

1. Yellow Puppets Hanging In The Sky (0:48)
2. Krishna's Golden Dope Show (6:13)
3. Road To Laramy (6:30)
4. Acid Eagle (2:42)
5. Aluminum Wind (18:22)
6. Pink Puppets Hanging In The Sky (0:46)


terça-feira, 16 de julho de 2013

HARD ROCK - PAX - May God and Your Will Land You and Your Soul Miles Away - 1970



Pérola formada na capital peruana Lima em 1969 pelo guitarrista Pico Ego Aguirre e uma das bandas pioneiras do hard rock aqui na América do sul. O grupo lançou apenas um álbum em 1970 e acabou em 1974.
O som da banda trazia um hard rock típico da época e muito influenciado por grupos de hard/psicodélico americanos e britânicos, tanto que no relançamento do álbum em 2011 com faixas bônus, todas são covers (Deep Purple, Brainbox, Spirit, etc.), destaque para a guitarra que tem bons riffs. As letras são todos em inglês.
Apesar de não ser muito original, é uma boa pérola, recomendado!
Link

Peruvian pearl formed in 1969 by guitarist Pico Ego Aguirre and one of bands pioneers of hard rock in South America. The group released only one album in 1970 and ended in 1974.
The band's sound featured a hard rock typical of the era and very influenced by American and British groups of hard / psychedelic rock.


Enrique "Pico" Ego Aguirre (guitar, keyboards, vocals)
Miguel Flores (drums)
Marc Aguillar (bass, piano)
Jaime "Pacho" Orue Moreno (vocals)

Storyless Junkie
Rock an' Ball
Green Paper (Toilet)
Sittin' on My Head
Deep Death
For Cecilia
Pig Pen Boogie
Shake Your Ass

PROG ROCK - TOPOS URANOS - Suite Mística - 1993


Pérola nacional vinda de Niterói, Topos Uranos foi formado em 1991 e lançou apenas um álbum em 1993. No mesmo ano o guitarrista, vocalista e líder do grupo, Arthur Nogueira, saiu para formar o Projeto Caleidoscópio e então a banda acabou . Em 1996 o Projeto Luz Eterna relança o vinil em CD remasterizado com 4 faixas bônus.
O som do único álbum, Suite Mística, é viajante e varia entre o progressivo, jazz fusion e com algumas "pitadas" psicodélicas/space e de MPB, lembra em vários momentos a banda Camel. É na maioria instrumental, com longas faixas e ótimos solos de guitarra e teclados.
Uma ótima pérola nacional, altamente recomendada!
Link (Agradecimento especial ao "Prog Friend" pelo link)
Revisão em Português - Prog Brasil
Topos Uranos, hails from Brazil and consist of 4 amazing musicians. This, their only record, is a wonderful journey, into what the Brazilian progscene, have to offer, when it comes to complex, well written and great performed prog rock. There is not many vocals on this, more some narrated sounds of a sort. But the main thing here, are the complex way the music is performed.
Mutant Sounds

Arthur Nogueira (guitarra, vocal)
André Dias (teclados)
Jorge Mathias (Baixo)
Paulo Márcio (bateria)

01 Prelúdio
02 K.A.O.S.
03 Sonho Perdido
04 In Memorian
05 A Lenda Do Unicornio Branco
06 Grestu
07 Duende
08 Hatman Ii
09 O Grande Circo
10 Suite Mistica
11 The Last Return



Teatro Galeria:

domingo, 14 de julho de 2013

LATIN PROG ROCK - VYTAS BRENNER - La Ofrenda De Vytas - 1973


Vytas Brenner foi um pianista, tecladista e compositor nascido na Alemanha e que se mudou "fugido" com a família com 2 anos para a Venezuela e lá fez toda a sua carreira e lançou seus dez álbuns, sendo cinco deles com sua banda de apoio La Ofrenda, durante os anos 70. Posto aqui o primeiro, La Ofrenda De Vytas, de 1973. Foi um dos maiores nomes da música venezuelana e o pioneiro do progressivo no país. Acabou falecendo em 2004 por um ataque no coração.
A música de Brenner e Ofrenda em seu primeiro registro traz um som interessante e muito original para a época. O disco todo instrumental traz o rock progressivo e fusion típico da Europa misturado com ritmos latinos e "folk" da Venezuela (exemplo disso é o uso de cuatro e maracas), mais presentes nas faixas Morrocoy e La Sabana. O destaque fica para a percussão e teclado.
Uma excelente pérola, altamente recomendada para quem gosta de progressivo mais "experimental".
Link

His music is rich with images from venezuelan's culture, and applying to them the european symphonic progressive layers to develop the fusion. Rich also in instrumentation it is, from the main instruments of venezuelan folk (cuatro, harp, maracas) and incorporating electric guitars, synths, organ and symphonic instruments to complete the pack.
A well crafted, well produced and well executed album, which, and whilst borrowing from the symphonic movement
Prog Archives

- Vytas Brenner - piano, organ, synthesizer, acoustic guitar
- Pablo Manavello - guitars
- Carlos Acosta - bass
– Frank Rojas - drums
- Ramón Hernández - harp
- Angel Melo - cuatro
- Jesús (Chucho) Chinchilla - drums, percussion
- Alfredo Rojas - maracas

01. Morrocoy - 6:28
02. Ofrenda De Miguel - 3:51
03. Tormenta De Barlovento - 4:03
04. Frailejón - 2:35
05. La Sabana - 6:45
06. Tragavenado - 2:55
07. Araguaney - 2:18
08. Canto Del Pilón - 4:53

sábado, 13 de julho de 2013

HARD BLUES ROCK - BUSTER BROWN - Something to Say - 1974


Pérola especial para o dia internacional do rock! Buster Brown foi um grupo australiano formado em Melbourne em 1973 e que tinha na sua formação Angry Anderson, que formaria alguns anos mais tarde o conhecido Rose Tattoo, e Phil Rudd, que entraria para o AC/DC. Após importantes saídas de membros o grupo acabou em 1975, gravando um único álbum em 74. Mesmo assim foi uma banda importante no cenário do rock australiano da primeira metade dos anos 70.
O som do seu álbum, Something to Say, de 1974 é baseado no hard rock, com muitas influências de blues e boogie rock. As guitarras e o vocal de Anderson são os destaques.
Pérola interessante e recomendada para fãs de AC/DC e Rose Tatto que querem conhecer um pouco das "raízes".
Link

The roots of Rose Tattoo, AC/DC and everything else that's good about working class Australian rock has been reclaimed, remastered and re-released: a doomed band who pre-dated a rock trend that continues to burn strongly today.
Title track/theme song Buster Brown showcases the roots of Australian heavy blues-rock and Angry's penchant for writing lyrics that address growing up tough on the wrong side of an Australian suburb

Dirty Funk Situation

Angry Anderson - vocals
Paul Grant - guitar
John Moon - guitar
Chris Wilson - keyboards
Mick "Geordie" Leach - bass
Phil Rudd (Phillip Hugh Norman Witschke Rudzevecuis) - drums

01. Rock And Roll Lady - 4:40
02. Let Me In - 3:49
03. Buster Brown - 4:20
04. Roll Over Beethoven - 4:45
05. Young Spunk - 6:08
06. Apprentice - 5:36
07. Something To Say - 5:26

Playlist:

sexta-feira, 12 de julho de 2013

SYMPHONIC PROG - GURUH GIPSY - Same - 1977


Pérola rara vinda da Indonésia, formada na capital Jacarta em 1966 por Guruh Soekarno e Chrisye. O sexteto gravou seu único álbum durante um ano e meio (7/75 até 11/76), com a participação de vários outros músicos e que foi lançado em 1977.
O disco homônimo é com certeza o melhor exemplo de rock progressivo vindo do país (que não possui muitos) e traz uma interessante combinação entre o rock progressivo sinfônico/fusion e o Gamelão, música típica da Indonésia, com ar meio psicodélico em alguns momentos. As faixas são todas longas (com exceção da última) e as letras são em inglês e língua indonésia. No geral um álbum único e muito bonito, pérola altamente recomendada para quem procura um progressivo experimental e "distante" dos EUA/Europa.
Link

Surely this is a masterpiece of Progressive Rock. Guruh Gipsy came from Indonesia and this albulm was released only on cassettes and i strongly wish there will be cd issues of it. Between the members of this band are some of the most important musician of the indonesian scene. The album is a mix of prog, jazz and indonesian folk music, and the greatness of this album is the ability to mix defferent element in a unique cocktail.
ProgArchives


Keenan Nasution / drums,vocal
Chrisye / bass,vocal
Abadi Soesman / mini-moog
Roni Harahap / piano, organ
Odink Nasution / guitars
Guruh Soekarno / gamelan

Indonesia Maharddika (15:43)
Chopin Larung (7:19)
Barong Gundah (6:57)
Janger 1897 Saka (8:53)
Geger Gelgel (12:04)
Smaradhana (2:26)

quinta-feira, 11 de julho de 2013

PSYCH/PROG ROCK - SUUK - Suuk 1976 - 2000


Pérola rara e obscura formada em Tartu, cidade da Estônia em 1970 (na época fazia parte da União Soviética) e tiveram seis anos de existência. Foi um dos primeiros e poucos grupos de rock da época na região, se apresentaram em alguns pequenos festivais no seu país e na vizinha Letônia. Gravaram algumas músicas na época, mas só em 2000 um álbum coletânea com 17 faixas foi lançado. O vocalista Aleksander Müller continuou com curta carreira solo.
Ouvindo as músicas do Suuk se percebe grande influência de bandas de rock psicodélico britânicas misturadas com música folk da Estônia. Existem alguns toques de progressivo (flauta e teclado), hard rock e blues também. As músicas são todas em estoniano. Essa pérola é um bom exemplo para conhecer um pouco da "cena" do rock nos países bálticos nos anos 70.
Link

Listening to the Suuk music is perceived influential bands of British psychedelic rock mixed with folk music in Estonia. There are some touches of progressive (flute and keyboard), hard rock and blues too. The songs are all in Estonian. This pearl is a good example to learn a little about the "scene" of the rock in the Baltic countries in the 70s.

Aleksander Müller (vocal, piano)
Jaan Rässa (teclado)
Margus Anderson (flauta)
Urmas Anderson (baixo, guitarra)
Hain "Karvand" Salujärv (baixo, violão)
Madis Vaha (bateria)
Tiit Kööbi (vocal, guitarra)

01-Slaager
02-Blues Mesilumest
03-Nuhtlemine
04-Pőrguplika
05-Statistiline
06-Fuuga
07-Narkomaan
08-Vőőrsil
09-Linnapea secretäri Drewonwski ja Ostrowieci ajakirjaniku Pienazheki kuplee
10-Peo algus
11-Peo lőpp
12-Tähed
13-Järel valgus ja palverändur
14-Suuk Maciej Chlemicki läheb partei vojevoodkonna sekretäri Stefan Szezukat tapma
15-Kulisside taga
16-Krystyna loeb Maciej kirja
17-Peer Gynt



quarta-feira, 10 de julho de 2013

BLUES ROCK - HEADBAND - Happen Out - 1972


Pérola vinda da Nova Zelândia, Headband se formou no ano de 1970 na cidade de Auckland. O grupo lançou seu primeiro álbum em 1972 e após uma pausa e mudanças na formação, a banda voltou em 1975 e lançou mais um disco. Não confundam com banda australiana da mesma época Headband.
O som deles tinha influências na maioria de Blues (lembrando muito John Mayall) e algumas passagens de country rock e groove. Seu primeiro álbum, Happen Out, traz um som consistente e com vários bons momentos, principalmente na gaita de boca, flauta e guitarra. O vocal do líder Tommy Adderley também é bom.
Nada extraordinário, mas uma pérola legal para conhecer. Recomendo!
Link

Formerly called "The Bluesbreakers", this New Zealand outfit "Headband" were heavily influenced by John Mayall. They are not to be confused with the Australian band called "Headband" who did "A Song For Tooley" album. However that is a very good album also. So if you fancy a real very cool blues rock album, I suggest this one folks.
Rock Archeologia

Tommy Adderley - harmonica, vocals
Alan Quinnell - guitar
Ronnie Craig - guitar
Jack Stradwick - bass
Dick Hopp - electric violin, flute
Jimmy Hill - drums
Billy Kristian - bass

Mood One - Time To Kill (7:08)
Lisa Listen To Me (1:47)
Dip Tank (3:07)
The Ballad Of Jacques Lamere (3:41)
Headband Grooving (4:10)
Good Morning Mr Rock 'N' Roll (2:45)
Love Is Bigger Than The Whole (3:45)
Mood 2 - The Laws Must Change (15:12)



terça-feira, 9 de julho de 2013

BLUES ROCK - BLUES GANG - Dig It! - 1984


Pérola grega formada em Tessalônica, Macedônia no começo da década de 1980 com o nome de Blues Gang, lançando 2 álbuns e mudando para Blues Wire em 1985, lançando mais alguns discos até o começo dos anos 90, todos na linha do blues rock, de lá pra cá acontecem algumas reuniões. Foi um dos grupos pioneiros de blues do país.
Dig It! foi o primeiro trabalho do Blues Gang, de 1984. Traz um bom blues rock, com um "feeling" incrível do guitarrista Elias Zaikos, a gaita de boca e o piano tem algumas boas passagens também. As músicas são todas em inglês.
No geral, um ótimo disco. Recomendado para todos os fãs de blues rock (conheçam também os outros trabalhos da banda).
Novo Link
Site oficial

Dig It! Brings a good blues rock with an incredible feeling of the guitarist Elias Zaikos, the harmonica and the piano has some good passages also. The songs are all in English.
Overall, a great record. Recommended for all fans of blues rock

Bass - Sotiris Zissis
Drums - Leonidas Stamatiades
Harmonica - Nondas Erkekoglou
Piano, Organ - George Pentzikes
Tenor Saxophone - Thodoros Zrello
Vocals, Guitar - Elias Zaikos

A1 Dangerous Blues 4:40
A2 Happy Just To Know Low Down Blues 3:20
A3 Good Old Time Rockin' R & B 3:33
A4 It's My Own Tears 7:05
B1 Don't Throw Your Love On Me So Strong 5:20
B2 I Made My Mind Up 4:20
B3 Far Too Many Nights 8:40



segunda-feira, 8 de julho de 2013

JAZZ FUSION - ABRAXIS - Same - 1976



Abraxis foi uma banda belga de jazz fusion formada em 1975 na capital Bruxelas pelos músicos Charles Loos e Jean Paul (ambos ex-Cos), pode ser considerado como um super-grupo por que tinha integrantes que já haviam participado de outros importantes grupos de rock/jazz na Bélgica como Pazop e Waterloo, além do Cos. Lançaram apenas um álbum em 1976.
Seu som mesclava progressivo com jazz fusion, com alguns toques de música clássica. Em relação ao som do grupo base do Abraxis, o Cos, percebe-se mais influencias do fusion e de bandas da Cena de Canterbury (principalmente Gilgamesh e National Health). A banda é composta por ótimos músicos, mas o destaque fica para o piano e teclado de Loos, a guitarra e flauta têm ótimas passagens também.
Ótima pérola, recomendado para fãs de Fusion e Cena de Canterbury!
Link

Abraxis' sound is fairly close to that of Cos, albeit jazzier and with Bogeart’s flute replacing Pascale’s vocals. Other stylistic points of reference are Placebo and the jazzier Canterbury-type bands such as Gilgamesh and National Health. The compositions (by either Loos or Musette) are all rather involved and multi-sectioned, though there is plenty of room for lengthy solos by Loos, Bogaert and the surprisingly excellent Elias.
gepr.net

Charles Loos (piano, keyboards)
Dirk Bogaert (flute)
Paul Elias (guitar)
Jean-Paul Musette (bass)
Tony Malisan (drums)
Jacky Mauer (drums)

A1  Clear Hours
A2  Valse De La Mort
A3  Sweetank
B1  Billy The Keith
B2  Jeronimo
B3  Bolle Winkel
B4  Arhumba

domingo, 7 de julho de 2013

PROGRESSIVE ROCK - TABULA RASA - Same - 1975


Pérola finlandesa formada em Kangsala no ano de 1972, pelo guitarrista Heikki Silvennoinen e o baterista Asko Pakkanen. Após lançarem dois álbuns (75/76), sem conseguir repetir o sucesso do primeiro álbum, o Tabula Rasa acabou em 1977. Mesmo assim até hoje é considerado um dos principais grupos de rock progressivo de lá.
O som do disco homônimo de 1975 traz na maioria o rock progressivo, que lembra muitas as bandas Jethro Tull e Camel. Conta com toques de folk rock e algumas partes melódicas, com influências de pop/beat (parte fraca do álbum). Destaque para as faixas Tuho e Vuorellaistuja. Boa pérola para conhecer.
Link

This mid-70's Finnish prog release might be a nice record to check out for those listeners, who like URIAH HEEP, JETHRO TULL and don't mind lyrics sung in Finnish. The melancholic ballad "Gryf" is my favorite track of this record and of the band. It's guitar player Heikki Silvennoinen is a really talented musician, and he has worked as a professional musician and as actor after his commitment to this group.
Orexis of Death

Heikki Silvennoinen - guitarra
Jukka Leppilampi - vocal
Tapio Suominen - baixo
Asko Pakkanen - bateria
Jarmo Sormunen - flauta
Jim Pembroke - piano

1. Lähtö
2. Miks' ette vastaa vanhat puut
3. Gryf
4. Tuho
5. Tyhjä on taulu
6. Nyt maalaan elämää...
7. Vuorellaistuja
8. Prinssi

- Heikki Silvennoinen / guitar
- Jukka Leppilampi / vocals
- Tapio Suominen / bass
- Asko Pakkanen / drums
- Jarmo Sormunen / flute
- Jim Pembroke / piano



sábado, 6 de julho de 2013

ANATOLIAN ROCK - 3 HÜR-EL - Hürel Arşivi - 1974


Trio turco formado pelos irmãos Onur, Haldun e Feridun Hürel em Trebizonda no ano de 1970, com o nome de Üç Hürel e logo depois mudado para 3 Hür-El (três irmãos Hürel) lançou alguns singles e dois álbuns nos anos 1970 (72/74) e outros 2 no fim da década de 1990, após uma rápida volta.
Diferentemente da grande maioria dos outros grupos turcos da época, o 3 Hür-El não fazia covers em seus álbuns ou shows e tinha seu próprio material, um interessante Anatolian rock que é a mistura da música turca e rock'n'roll. O som da banda tinha mais influências do rock psicodélico e do hard rock britânico do que no folk. Mesmo assim as canções são todas em turco, o destaque fica com a guitarra.
Link

As an important differance, the three Hurel brothers didn't play cover songs or turkish music compositions. Feridun did the original composes and lyrics, and sang, also played a double-necked instrument : one neck for guitar, the other for turkish saz. Was a great combination. With special drums, percussions and combination of west-east instruments, they created a new synthesis. That was a great progressive sound of 70's, with great rhythms.
progressive.homestead.com

Feridun Hurel - guitar, sax, vocals
Onur Hurel - bass,
Haldun Hurel - drums, percussion


Kol Basti
Hoptirinom
Mutluluk Bizim Olsun
Canim Kurban
Gönül Sabreyle Sabreyle
Kücük Yaramaz
Aglarsa Anam Aglar
Ömür Biter Yol Bitmez
Sevenler Aglarmis
Yara
Döner Dünya
Agit



FOLK ROCK - THE WOODS BAND - Same - 1971


Pérola formada em Dublin, capital da Irlanda pelo casal Gay e Terry Woods após a saída deles do também grupo folk Steeleye Span. A banda lançou apenas um álbum em 1971, algum tempo depois o grupo se dissolveu e o casal continuou com o nome de Gay And Terry Woods, lançando outros discos na segunda metade da década de 70 até a separação, em 1980.
O som do The Woods Band era muito semelhante com o de muitos outros grupos irlandeses da época, tendo como base a música celta, com algumas pitadas de rock. As músicas são curtas e simples, mas com o uso de muitos instrumentos típicos da região, como Bodhrán e Mandola. Os vocais são masculinos e femininos e agrandam bastante.
Bela pérola, recomendado para quem gosta de Celtic Folk e vocais femininos.
Link
First of all The Woods Band show excellent technique at performing Celtic folk music - sound is quite authentic and expressive. Themes are typically folksy too.
Rate Your Music

Ed Deane - Violão, guitarra, baixo, Slide guitar, Cravo
Gay Woods - Concertina, harpa, dulcimer, Bodhrán, Vocal
Pat Nash - Bateria, vocal
Terry Woods - Mandola, Concertina, violão, vocais


Noisey Johnny
Dreams
January Snows
Lament Jig Apples In Winter
Over the Bar
As I Roved Out
Promises
Everytime



quinta-feira, 4 de julho de 2013

PSYCHEDELIC ROCK - LA COFRADIA DE LA FLOR SOLAR - Same - 1971


La Cofradia de la Flor Solar foi um trio argentino formado em um grupo hippie na cidade de La Plata no fim da década de 60. Lançaram apenas um LP (com a formação original) em 1971 pela Microfón. É considerado um dos melhores grupos argentinos da época, mesmo assim em 74 a banda e a comunidade se acabaram por causa da perseguição de militares. No ano de 1997 o grupo voltou, mas com um som muito diferente do dos anos 60/70 e apenas com um membro original.
O álbum homônimo traz um ótimo rock psicodélico, tendo ainda alguns toques de hard rock e blues. As músicas são todas em espanhol e com temas hippies. O disco conta com a participação de outros 2 guitarristas argentinos. O destaque fica para a guitarra, que tem alguns bons solos, e para as faixas Fiesta de amor en el cielo e Paz de panza
Boa pérola dos nossos "vizinhos", recomendado!
Link (Contramão)

The sound of La Cofradía reminds of Pappo's Blues at times: psychedelic hard rock with wah wah guitar, slightly spacey sound and jamming feel, but the tunes haven't nor the grace and scope of Pappo's Blues, neither that heavy edge and aggressive feel.
Rate Your Music

Kubero Díaz (guitarra, vocal)
Morcy Requena (baixo, vocal)
Manija Paz (bateria)

Enrique Gornatti (guitarra)
Skay (guitarra)

Quiero ser una luciérnaga
Fiesta de amor en el cielo
Todo mi mal
Paz de panza
Se ama o no se ama
En la siesta
Nos encontraremos en alguna parte
Rock alrededor del país
Sombra fugaz por la ciudad
La mufa



quarta-feira, 3 de julho de 2013

LATIN JAZZ - OPA - Goldenwings - 1976



Opa foi um trio que se formou no Uruguai, na capital Montevidéu, em 1969 após a saída dos irmãos Hugo e Osvaldo Fattoruso do grupo Los Shakers. Gravaram dois álbuns: Goldenwings, em 1976 e Magic Time no ano seguinte, ambos gravados nos Estados Unidos e produzidos por Airto Moreira. Se desformou no começo da década de 1980.
O disco Goldenwings traz um jazz fusion com muita influência de ritmos latinos, com destaque para o Candombe. As composições são muito bem feitas, com destaque para o teclado e bateria. O álbum ainda conta com as participações do músico brasileiro Hermeto Pascoal na flauta e percussão e de David Amaro na guitarra.
No geral um álbum incrível, pérola altamente recomendada para fãs de fusion/latin jazz!
Link
In brief this is an excellent jazz-fusion album, without any weak moment. Dominated by keyboards but played by very skilled artists so that each instrument, apart perhaps guitar, has enough room. The vocals and choirs also are very well arranged.
Prog Archives

Hugo Fattoruso: Teclado, vocais
George (Osvaldo) Fattoruso: bateria
Ringo Thielmann: Baixo
David Amaro: Guitarra
Hermeto Pascoal: Flauta e Percussão

1-Goldenwings (4:15)
2-Paper Butterflies (Muy Lejos Te Vas) (7:10)
3-Totem (4:40)
4-African Bird (5:40)
5-Corre niña (5:42)
6-Pieces: Tombo/La Escuela/Tombo (5:17)
7-Groove (6:25)

terça-feira, 2 de julho de 2013

JAZZ ROCK - BANDIDO - Same - 1973


Pérola mexicana, Bandido se formou em Guadalajara no ano de 1971 por músicos que já tinham alguma experiência e haviam tocado em outros grupos do país. Após participar do "Festival de Avándaro", a banda conseguiu lançar seu único álbum no ano de 1973.
A música do grupo trazia um jazz rock de bastante qualidade com arranjos criativos e contava ainda com alguns toques de soul e rock psicodélico . Os vocais de "Kiko" Rodríguez também são bons (lembrando a de David Clayton Thomas do Blood, Sweat and Tears), as letras eram todas em inglês.
Boa pérola, recomendado!
Link

Kiko Rodríguez (vocals, percussion)
Ricardo Toral (keyboards, piano, vibraphone)
Eugenio Guerrero (bass)
Efén Olvera González (guitar)
Rafael Sida (drums)
Enrique Sida (trombone)
Ignacio Ramírez (trumpet)
José Luis Guerrero (saxophone, flute)

1. Bandido theme (Tema de Bandido)
2. Morning (Mañana)
3. It'll be better (Exhortación)
4. Poor ecologist (Pobre ecólogo)
5. Freedom now (Libertad ahora)
6. Winter lady (Dama de invierno)
7. A new day (Un nuevo día)



segunda-feira, 1 de julho de 2013

PROG/FOLK - I MIGRANTS - In una sera / Fiore - 1970


Pérola italiana formada em 1968 na cidade Forlì. O grupo lançou apenas dois singles, o primeiro em 1970 com o nome de I Migrantes e outro em 71 como Well's Fargo, ambos lançados pela Bla Bla Records.
Traz um típico rock progressivo italiano, com alguns toques da música do país (Fiore). As letras são todas em italiano.
Link
Small Italian group from early 70's on Mythic Bla Bla Underground label. Is Folk/Ethno prog, with Accoustic guitar
Ubupopland.com

Giuliano Capacci (vocals, bass)
Christian Souiller (guitar)
Claude Mareek (keyboards)
Jacques (drums)

A In una sera
B Fiore